Notícias / Pará

FILME PANTERA NEGRA

Professora da Terra Firme que fez campanha para alunos é vencedora de prêmio nacional

Quinta-Feira, 29/11/2018, 18:21:53 - Atualizado em 29/11/2018, 18:42:01 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Professora da Terra Firme que fez campanha para alunos é vencedora de prêmio nacional (Foto: Dominik Giusti)
(Foto: Dominik Giusti)

O esforço investido na educação, dentro de uma escola da Terra Firme, em Belém, ganhou destaque nacional, nesta quinta-feira (29): a professor Lília Melo, que fez uma campanha para levar alunos de uma escola pública do bairro para ver o filme do Pantera Negra, foi a grande vencedora do prêmio Professores do Brasil 2018 na categoria Ensino Médio. Ela foi aplaudida de pé pelos presentes na plateia. 

Lília Melo já havia vencido a etapa regional do mesmo prêmio e recebeu a grande notícia, na tarde de hoje, em cerimônia realizada no Rio de Janeiro.

"Eu gostaria de falar que quem sobe nesse palco agora são todos os meninos e as meninas da periferia, onde temos muita produção cultural. As rosas da resistência eles nascem no asfalto e nós vamos colhê-las de punhos cerrados para fazer valer a nossa existência. Quem tá aqui agora é o bairro da Terra Firme. Nós temos muito mais poesia e cultural no coração do que morte. Nós temos muito amor. E é com amor e poesia que nós vamos vencer o extermínio", disse Lília no discurso, que foi aplaudida de pé por todos no auditório. 

Ela atua há 10 anos como professora na Escola Estadual de Ensino Infantil, Fundamental e Médio Brigadeiro Fontenelle, localizada no bairro da Terra Firme, na capital paraense. No total, são 18 anos no magistério.

O projeto que rendeu a premiação à Lília se chama “Terra Firme: Juventude periférica - Do extermínio ao Protagonismo!” e incentiva a produção de conteúdos audiovisuais pelos próprios alunos da escola, nos quais eles relatam as histórias e o cotidiano da juventude negra e periférica de Belém. Narrativas que muitas vezes, infelizmente, envolvem os casos de massacres e extermínios de jovens no bairro.

“Não é uma premiação minha. O que faço é simplesmente relatar o que a juventude da Terra Firme está fazendo. Sou uma professora que tive uma grande sorte de conhecer essa comunidade e poder me transformar em um instrumento que reverbere essa voz que há em todas as periferias do País. Estamos falando em sair do extermínio e transformá-lo em protagonismo”, relatou Lília, em entrevista ao Diário Online.

É possível ver a premiação de Lília a partir de 2:20:00 do vídeo.

(DOL)





Comentários

Destaques no DOL