Notícias / Pará

OLHO NO CÉU

Operadores de drones fazem encontro em Belém

Segunda-Feira, 20/08/2018, 07:25:46 - Atualizado em 20/08/2018, 07:25:46 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Operadores de drones fazem encontro em Belém (Foto: )

Cerca de 31 operadores e praticantes de drones se encontraram pela primeira vez, no último sábado (18), na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), em Belém, para trocar experiências sobre o uso do equipamento, no I Encontro de Drones. 

Classificado como uma aeronave não tripulada, o drone pode ser utilizado de várias formas, do lazer à pesquisa. O equipamento filma, fotografa e sobrevoa área de difícil acesso humano. Em Belém, por exemplo, a defesa civil do município utiliza o equipamento para mapear e levantar as áreas de risco na cidade como erosões e avanço e marés. 

Na UFRA, o Instituto Ciberespacial (Icibe) está desenvolvendo um equipamento na forma de um barco para mergulhar na bacia de rejeitos e coletar dados debaixo d’agua, verificando onde há contaminação. Um os idealizadores do Encontro, o professor do Icibe, Stephan Almeida, explica que além de ter um custo muito menor do que um helicóptero, o drone possibilita uma velocidade de resposta maior. “O trabalho que se faz em uma semana ou até um mês pode ser encurtado para até 50 horas com o uso do aparelho”, diz o professor. 

Hoje, qualquer pessoal pode comprar um drone. O equipamento varia entre R$ 6 mil a R$ 8 mil. Os mais populares pesam, aproximadamente, 1,4 kg, mas os mais modernos podem chegar a até 30 kg. De acordo com a professora de cartografia do IFPA, Tatiana Pará, embora qualquer pessoa possa se habilitar a operar um drone, é necessário obter a autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e se capacitar para conhecer as regras e evitar acidentes. 

Em geral, um drone sobe até 500 metros e só podem ser operados em áreas com, no mínimo, 30 metros horizontais de distância das pessoas. “A Anac discute agora sobre a obrigatoriedade do treinamento para evitar acidentes”, ressalta Tatiana. 

 

(Leidemar Oliveira/Diário do Pará)





Comentários

Destaques no DOL