Notícias / Pará

OMISSÃO

Cavalo agoniza sem socorro às margens da BR-316

Segunda-Feira, 09/07/2018, 13:20:31 - Atualizado em 09/07/2018, 14:47:06 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Cavalo agoniza sem socorro às margens da BR-316 (Foto: Via Whatsapp)
Cavalo agoniza há dias na BR-316. (Foto: Via Whatsapp)

Um cavalo bastante machucado agoniza há cerca de dois dias às margens da rodovia BR-316, no município de Marituba, Região Metropolitana de Belém. Sem força e com ferimentos pelo corpo, ele não levanta mais. A cena de cortar o coração sensibilizou moradores da área e protetores da causa animal. Segundo eles, o cavalo teria sido atropelado.

“Moradores ouviram uma porrada muito forte e viram o cavalo jogado no meio da pista”, explica a protetora independente, Lea Martins, que está no local e clama por uma atitude dos órgãos competentes.

Lea e mais um grupo de protetores e moradores da área tentam de tudo para salvar a vida do animal, que agoniza com a omissão das equipes de socorro.

“Acionamos os Bombeiros que só fizeram retirar ele da pista e jogaram para o local de lama. A DEMA esteve aqui, mas disse que a responsabilidade é do Zoonoses. Tentamos contato com eles, mas não conseguimos nada”, ressalta Lea, que conseguiu com a Prefeitura de Marituba, através da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o transporte para o animal após um grupo bloquear parcialmente a BR-316.

Cavalo está sendo cuidado por protetores e moradores da área. (Foto: Via Whatsapp)

No entanto, a burocracia está impedindo que o cavalo seja transportado para um sítio no bairro do Tenoné, em Belém, conseguido pelo grupo de protetores.

“A Prefeitura de Marituba se comprometeu com o transporte, porém, a gente esbarra na burocracia, já que segundo eles, só podem fazer o transporte se fosse para uma área aqui do município. Como o sítio fica em Belém, ele precisa ser transferido por um órgão competente de Belém”, lamenta a protetora.

A protetora critica a falta de atuação do poder público e a omissão dos órgãos competentes em relação a punições para o abanono de animais.

“O que não pode é o animal continuar aqui. Tem que existir um órgão responsável. Ninguém faz nada como sempre. Quando é denúncia contra os protetores de animais eles agem rapidinho, mas quando é para socorrer ninguém vem. Estamos fazendo o trabalho do poder público, por amor que temos”, desabafa.

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Belém informou, através de nota, que a responsabilidade de transportar o animal é do município de oriegm (Marituba).

O DOL entrou em contato com a Delegacia Especializada em Meio Ambiente (DEMA) e aguarda um posicionamento. 

(DOL)





Comentários

Destaques no DOL