Notícias / Pará

APREENSÃO

Oito foragidos e sete feridos em rebelião em presídio de Bragança

Segunda-Feira, 16/04/2018, 12:32:56 - Atualizado em 16/04/2018, 16:52:06 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Oito foragidos e sete feridos em rebelião em presídio de Bragança (Foto: Clemente Schwartz/Diário do Pará)
Homens do Comando de Operações Especiais (COE) também estão de prontidão na frente do presídio (Foto: Clemente Schwartz/Diário do Pará)

A manhã desta segunda-feira (16) foi tensa em frente ao Centro de Recuperação Regional de Bragança (CRRB), onde, desde as primeiras horas da manhã até o início da tarde, ocorreu uma rebelião de detentos. Segundo a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), oito detentos fugiram e outros sete ficaram feridos e estão sendo atendidos na unidade prisional por uma equipe do Samu. 

Circulam nas redes sociais a informação de que foram registradas cinco mortes. A Susipe informou que nenhuma dentro do presídio, mas que é possível que os detentos tenham morrido em confronto com a polícia fora da unidade.

"Estamos aguardando a identificação desses cinco mortos. É provável que sejam da lista dos oito fugitivos. Mas, não podemos confirmar sem a identificação dos corpos", disse a Susipe. 

De acordo com a Diretoria de Administração Penitenciária da Susipe, os presos se rebelaram por conta da superlotação carcerária e demora das audiências com a Justiça. "Atualmente, o CRRB custodia 315 detentos. A capacidade é para 122", disse o órgão. 

De acordo com informações da juíza Daniela Modesto, titular da vara criminal da comarca de Bragança, alguns detentos serão transferidos do presídio devido a destruição de algumas celas. 

FUGITIVOS


Sobre os foragidos, a Susipe já divulgou nome dos foragidos. São eles: Alan Monteiro, Arlindo da Silva, Claúdio Robson Amorim, Elton Rodrigues da Silva, Luan Victor do Rosário Reis, Rafael Rodrigo Sousa da Silva, Renan Assunção Mendonça e Rodrigo da Silva Costa.

FAMILIARES

Na frente do presídio, familiares aguardaram, durante horas, notícias sobre os internos. "A gente está esperando por notícias desde antes das 7h e ninguém dá uma satisfação pra gente. Não sei se meu filho está ferido, se está vivo ou morto. Nós temos direito de receber informação", argumentou Catarina Rodrigues, mãe de um detento.

Um helicóptero do Grupamento Aéreo da Segurança Pública (Graesp) sobrevoou a área do presídio. A juíza titular da área criminal da comarca de Bragança, Daniela Modesto, esteve no local.

A rebelião em Bragança ocorreu sete dias após a tentativa de resgate de presos no CRPPIII, em Santa Izabel, quando 21 pessoas foram mortas.

(DOL)





Comentários

Destaques no DOL