Notícias / Pará

EDIÇÃO ELETRÔNICA

PMs podem ter acobertado morte de líder comunitário

Quarta-Feira, 14/03/2018, 07:24:08 - Atualizado em 14/03/2018, 07:24:08 Ver comentário(s) A- A+

PMs podem ter acobertado morte de líder comunitário (Foto: Reprodução)
Sérgio Nascimento foi morto com 4 tiros na frente de casa. Ele já havia denunciado a Hydro ao Governo do Estado. (Foto: Reprodução)

Policiais militares podem ter dado cobertura à execução de Paulo Sérgio Almeida Nascimento, 47 anos, liderança da Associação dos Caboclos, indígenas e Quilombolas da Amazônia (Cainquiama), morto com quatro tiros na madrugada da última segunda (12) numa área de invasão em Barcarena. É o que afirma a principal testemunha do crime. O homem, que era amigo de Paulo Sérgio, procurou o advogado Ismael Moraes, advogado da associação, afirmando que teria ouvido relatos de vizinhos de que um carro da corporação, a distância, teria dado “apoio” ao veículo que conduzia os assassinos.

Moraes disse que quem viu o fato está com muito medo de aparecer. “Eu ainda tento convencer essa pessoa a prestar depoimento. A situação é de terror naquela região. Eu só confio hoje nas autoridades federais que atuam no Estado”, afirma. Segundo o advogado, a polícia não quer saber quem matou o ativista, mas sim desqualificá-lo. “A polícia quer reduzir a execução a um crime de rixa entre integrantes da própria associação.”

A testemunha também relatou ao advogado que, quando chegou próximo para ver o que havia ocorrido após os disparos, viu o corpo de Paulo caído do lado de fora da casa dele e avistou um homem correndo em direção à pista. “Ele não tem como identificar o atirador, pois o homem estava correndo de costas”, revela Ismael. Para Moraes, o governo está tirando o corpo fora e tentando incriminar pessoas inocentes. Por essa razão, o advogado vai apresentar a testemunha-chave não à Polícia Civil, mas ao Ministério Público de Barcarena. 

Ismael diz não confiar no atual secretário de segurança Luiz Fernandes Rocha, que até poucas semanas atrás comandava a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semas) e que, segundo ele, “sempre acobertou a situação e calamidade patrocinado pela Hydro em Barcarena”. “Não existe desconfiança específica de policiais ou delegados, mas sim de quem comanda a Secretaria de Segurança Pública. Minha recomendação é que a testemunha se apresente ao Ministério Público e que o órgão acompanhe o caso junto à polícia”, pontua.

RESPOSTA

A Assessoria de Comunicação da Polícia Militar, em nota, informou que o único inquérito policial militar instaurado no âmbito da Corregedoria da PM se refere às ameaças que deram origem ao pedido de proteção solicitado pelas lideranças da Cainqueama e pelo promotor militar Armando Brasil à Segup. “Não há qualquer IPM instaurado para apurar suposta participação de PMs no assassinato de Paulo Sérgio Nascimento”, informou. A Segup informou, ainda, que as investigações sobre o assassinato vêm sendo conduzidas desde a ocorrência pela Polícia Civil. “Todas as testemunhas que possam colaborar com as investigações serão ouvidas para auxiliar no inquérito”, assegura a secretaria. A Segup informa que vai solicitar ao procurador geral de Justiça que designe um membro do Ministério Público para acompanhar as investigações. 

(Luiz Flávio/Diário do Pará)



Conteúdo Relacionado:





Comentários