Esporte / Pará

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Como em 2011, o Galo quer cantar alto no terreiro paraense

Sexta-Feira, 12/01/2018, 14:56:09 - Atualizado em 12/01/2018, 14:56:09 Ver comentário(s) A- A+

Como em 2011, o Galo quer cantar alto no terreiro paraense (Foto: Arquivo / Diário do Pará)
Galo Elétrico quer repetir a boa performance e chegar ao bicampeonato paraense. (Foto: Arquivo / Diário do Pará)

Primeiro time do interior a ser campeão paraense de futebol, o Independente quer voltar a brilhar no cenário estadual. Para este ano, o clube prioriza não somente o Campeonato Paraense, mas também o acesso no Campeonato Brasileiro da Série C e montou um planejamento para alcançar tais objetivos.

 

O time que foi terceiro colocado em 2017 perdeu a base que atuava na temporada passada e apesar disso manteve alguns atletas, como o zagueiro Ezequias, o volante Chicão e o atacante Wegno, porém vieram contratações para o clube, como o goleiro Paulo Rafael, o meia Fabrício e o lateral Léo Rosa.

As novidades não ficaram apenas dentro das quatro linhas: o comando técnico do Independente será de Junior Amorim, que terá a responsabilidade de manter o Independente com boas campanhas no certame estadual, depois de Léo Goiano realizar um bom trabalho no clube, em 2017.

E para que o Independente possa chegar ao título, o clube contará com uma força extra: além de Tucuruí ser conhecida como a “Terra da Energia”, o time terá o apoio de sua apaixonada torcida, que sempre comparece em bom número ao estádio Antônio Dias Navegantes, o Navegantão.

O CLUBE

NOME: Independente Atlético Clube

DATA DE FUNDAÇÃO: 28/11/1972

PRESIDENTE: Deley Santos

ESTÁDIO: Antônio Dias Navegantes (Navegantão): 8.200 pessoas

CAMPANHA NOS ÚLTIMOS ANOS

2008: ND

2009: ND

2010: 4º Lugar

2011: Campeão

2012: 8º

2013: ND

2014: 3º Lugar

2015: Vice-Campeão

2016: 6º Lugar

2017: 3º Lugar

 

ND - Não Disputou a Fase Principal do Parazão

 

TIME BASE: Paulo Rafael; Léo Rosa, Charles, Ezequias e Mocajuba; Chicão, Leandrinho e Alex Pinho; Wegno, Lucas Sheldon e Feijão.

HINO

 

(Diego Beckman/DOL)







Comentários