Notícias / Pará

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Motorista acha quase R$ 500 no UFPA-Alcindo Cacela e faz campanha para achar dona

Quarta-Feira, 13/09/2017, 16:57:55 - Atualizado em 13/09/2017, 17:36:09 Ver comentário(s) A- A+

Motorista acha quase R$ 500 no UFPA-Alcindo Cacela e faz campanha para achar dona (Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

A atitude de um motorista de ônibus de Belém é um exemplo de honestidade que conquistou as redes sociais nesta semana: ele encontrou um pacote com quase R$ 500 dentro de um coletivo no início de setembro. Após fazer uma campanha na web e passar mais de 10 dias com o dinheiro, ele conseguiu devolvê-lo para a dona, uma idosa de 80 anos.

O caso aconteceu com o motorista Everaldo Souza, que trabalha na empresa Viação Guajará e dirige, geralmente, ônibus da linha UFPA-Alcindo Cacela. No dia 02 de setembro, ao parar em um sinal, ele notou um saco plástico que havia sido esquecido em um banco logo atrás da cadeira do condutor.

Ele pegou a embalagem e continuou a dirigir. Depois, ao verificar o conteúdo, se espantou: havia diversas notas e o cartão do Passe Fácil de uma idosa. Ao chegar no final da linha, contou as cédulas e viu que o total era de R$ 495.

Everaldo, então, começou a procurar pela dona do dinheiro, esperando que ela subisse no ônibus novamente e ele a reconhecesse pela foto do Passe Fácil. Foi aí que teve a ideia de colocar a imagem do documento e do dinheiro no Facebook.

A mobilização teve êxito e, dias depois, um internauta afirmou que conhecia a idosa da foto. Eles foram até a casa da mulher e Everaldo marcou de entregar dinheiro. Lá, o motorista descobriu que o valor seria para comprar os remédios dela.

“Ela disse que já tinha dado o dinheiro como perdido. Ela ficou muito feliz, porque era o dinheiro do remédio dela. Ela é viúva, tem quase 80 anos e mora sozinha. Aí que me deu vontade de entregar logo o dinheiro. Ela pensou que tinha perdido na farmácia”, contou Everaldo.

Para o motorista, achar a dona das notas foi como “tirar um peso das costas”. “Eu tava preocupado porque a pessoa com certeza estava precisando. O valor não era pouco. Foi um alívio quando consegui entregar para ela”, relatou o condutor que trabalha na profissão há 23 anos.

Depois da entrega do dinheiro, Everaldo e a mulher ainda fizeram uma foto para mostrar às pessoas que ajudaram na mobilização que o valor havia sido devolvido.

(DOL)





Comentários