Notícias / Mundo

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Papa Francisco tem rosto ferido durante visita à Colômbia

Domingo, 10/09/2017, 16:11:19 - Atualizado em 10/09/2017, 17:55:28 Ver comentário(s) A- A+

Papa Francisco tem rosto ferido durante visita à Colômbia (Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

O Papa Francisco sofreu um ferimento no rosto durante a passagem pela cidade de Cartagena, na Colômbia. Ele foi visto levando a mão ao rosto no bairro de San Francisco, onde abençoou a construção de moradias populares.

Os cortes foram acima do olho e deixaram o Papa com um inchaço em parte da bochecha. Os machucados teriam sido causados por um impacto do rosto de Francisco no vidro do “papamóvel”, quando ele tentava abraçar um fiel. 

Ao parar o veículo, o Pontífice recebeu um lenço de um dos seguranças para limpar o sangue que manchou as roupas brancas.

Mesmo após o corte, Francisco continuou a caminhada pelo bairro, saudando as milhares de pessoas que estavam no local. "Dei uma topada, mas estou bem", disse o Papa a um jornalista da rádio "Caracol".

Acolhida a refugiados

Durante a visita a Cartagena, Francisco fez elogios à acolhida que a Colômbia vem dando aos venezuelanos que atravessam a fronteira para fugir da crise política e econômica. Acrescentou que "vem orando por todos os filhos e filhas dessa amada nação da Venezuela" e fez um "chamado a todos para que rejeitem a violência política e rezem por uma solução a essa grave crise, que atinge a todos, mas especialmente aos mais pobres e aos mais desfavorecidos". 

O último dia da visita do pontífice ao país foi marcado por uma peregrinação, que começou no fim do sábado (9) e atravessou a noite, de fiéis que vieram dos bairros periféricos da cidade. No centro histórico, estes se encontraram com turistas e religiosos estrangeiros hospedados nos hotéis da cidade amuralhada. 

"Meu filho nunca tinha vindo ao centro, pensei que a visita do papa seria a melhor oportunidade, para que ele fosse abençoado pelo papa nessa terra que nos acolheu", contou à reportagem Pedro Urreta, 42, que saiu ainda de madrugada de sua casa, no bairro Nelson Mandela, uma urbanização formada por "desplazados" (deslocados pela violência), e usou vários tipos de condução -moto, ônibus e caminhada-, até chegar ao centro histórico de Cartagena. 

"Eu cresci nos Montes de María (ao sul do Departamento), onde os paramilitares causaram muita violência por vários anos. Perdi parentes e amigos, por isso vim para Cartagena, e aqui recomecei minha vida com eles", disse, apontando para o filho Javier, 6, e a mulher, Estefania, 32. 

Na porta da Igreja de San Pedro Claver, o santo padroeiro da cidade, o papa abençoou a todos e fez referências ao passado histórico e colonial da cidade, antes porto de entrada para comerciantes de escravos. "Ainda hoje, na Colômbia e no mundo, milhões de pessoas ainda são vendidas como escravos, e mendigam um pouco de humanidade." 

(Com informações do Extra e Folhapress)





Comentários