Notícias / Pará

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Sem refrigeração, passageiros usam a criatividade

Segunda-Feira, 19/06/2017, 15:04:54 - Atualizado em 19/06/2017, 15:36:46 Ver comentário(s) A- A+

Sem refrigeração, passageiros usam a criatividade  (Foto: DOL)
Na parte de cima da imagem é possível ver a sombrinha aberta com passageiros tentando se proteger do sol (Foto: DOL)

Enquanto os vereadores de Belém retiraram de pauta o projeto de lei que obriga as empresas de ônibus a instalarem aparelhos de ar-condicionado nos ônibus da cidade, os usuários sofrem e se viram como podem para se livrar do calor excessivo. Em pouco mais de um mês, o DOL conseguiu outro registro da triste rotina de quem necessita dos coletivos na capital do Pará.

Na tarde desta segunda-feira (19) um flagrante foi feito dentro de um ônibus da linha Júlia Seffer onde para se proteger o passageiro teve de abrir a sombrinha.

O ônibus circulava na avenida Almirante Barroso, sentido São Brás-Entroncamento. O curioso é que do lado onde o sol não bate todas as cadeiras estavam ocupadas e de onde a luz incide fortemente os assentos encontravam-se praticamente todos vazios. Por causa disso havia passageiros em pé.

Do lado em que o sol incide, as cadeiras estão quase todas vazias. Por outro lado, passageiros são obrigados a viajar em pé. (Kleberson Santos/DOL)

LARANJINHA

Se a ajuda não vem das ações dos homens públicos o jeito que tem para amenizar a quentura é consumir algo gelado como as laranjinhas, água e picolés vendidos por ambulantes que entram nos coletivos.

Sem querer se aproveitar das condições em que os passageiros se encontram, até por ser um deles, o vendedor Josean Travassos acaba por melhorar as vendas no período mais ensolarado.

"Eu chego a vender uma faixa de 35 a 40 laranjinhas por dia, o verão, o clima ajudam nesse período. Dá para ganhar um trocado todos os dias", disse o vendedor.

Passageiro recebe a laranjinha da mão do vendedor na tentativa de amenizar a quentura. (Kleberson Santos/DOL)

Para os demais passageiros ir para o trabalho é um momento angustiante nessas condições.

"Se tivesse o ar-condicionado seria melhor. Os ônibus não apresentam a mínima condição seja no período de sol ou da chuva e isso é muito ruim para todos nós", afirmou Henrique Silva, usuário dos coletivos.

NAS RUAS

No entanto, não custa lembrar que o sofrimento de quem está do lado de fora aguardando os ônibus está apenas começando. Debaixo do sol, em paradas sem abrigos, os usuários se viram como podem nas sombras dos portes e também usando sombrinha para não serem queimados pelos raios ultravioletas.

Quem acha que o fim das chuvas leva as sombrinhas de volta para o armário se engana. (Kleberson Santos/DOL

(DOL)





Comentários