Notícias / Pará

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Chuva alaga ruas e engarrafa o trânsito

Sexta-Feira, 12/05/2017, 09:28:25 - Atualizado em 12/05/2017, 10:28:38 Ver comentário(s) A- A+

Chuva alaga ruas e engarrafa o trânsito (Foto: Ricardo Amanajás/Diário do Pará)
Tradicional ponto de alagamento, a avenida João Paulo II virou um rio, dificultando o trânsito de carros e pessoas. (Foto: Ricardo Amanajás/Diário do Pará)

O velho drama dos alagamentos depois de qualquer chuva novamente atormentou os belenenses. Ontem (11), isso não foi diferente: em menos de uma hora de chuva, grande parte da cidade foi para o fundo d’água e o trânsito ficou caótico.

Na baixada do bairro do Marco e na Pedreira, o aguaceiro que inundou as ruas invadiu casas e estabelecimentos comerciais, resultando em inúmeros transtornos à população. Os impactos do problema também foram sentidos por motoristas e pelos passageiros de ônibus que enfrentaram diversos pontos de engarrafamento no trânsito, durante a volta para casa.

A Avenida João Paulo II, no trecho do Curió Utinga, virou um rio. No ponto mais crítico a água chegava à altura da barriga de quem se arriscou por enfrentar o alagamento a pé. O motorista de um caminhão tentou enfrentar a inundação, mas o veículo ficou “deu prego”.

“Depois que a chuva passa é que essa água aqui na rua escorre para dentro de casa”, disse o pedreiro Carlos Augusto Barbosa, de 50 anos, morador da Travessa Mariz e Barros, no bairro do Marco, em Belém.

Veja imagens do alagemento.

Para chegar em casa, ele teve de enfrentar a água suja e contaminada na altura da perna – isto durante a chuva. “Quando começou a chover fui ver a obra de um telhado que estamos construindo”, comentou.

QUANDO PASSA

Questionado se a água que cobria a rua já tinha invadido a sua casa, ele respondeu que não, mas já tinha suspendido móveis e eletrodomésticos. “Na área onde eu moro o alagamento começa quando a chuva passa”, apontou o morador.

Na Passagem José Leal Martins, a água que cobriu a via arrastou lixo e por pouco não cobriu a mureta do canal. “Não posso esperar a rua secar. O jeito é meter o pé na lama”, comentou a dona de casa Dalva Paixão.

Outros pontos da cidade também alagaram. Entre eles, a Avenida Conselheiro Furtado, no Guamá, e a Avenida Pedro Miranda, na Pedreira.

(Diário do Pará)



Comentários