Notícias / Pará

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Eleitor tem até o dia 2 para justificar ausência

Sexta-Feira, 21/04/2017, 08:25:18 - Atualizado em 21/04/2017, 08:25:18 Ver comentário(s) A- A+

Eleitor tem até o dia 2 para justificar ausência  (Foto: Fernando Araújo)
Supervisor Zilmar Pereira diz que procura por regularização da situação eleitoral (Foto: Fernando Araújo)

Eleitores que não votaram ou justificaram a ausência de voto nas últimas 3 eleições têm menos de duas semanas para regularizarem suas pendências eleitorais. O prazo final é o dia 2 de maio e quem não tiver sua situação normalizada até lá pode ter o título de eleitor cancelado.

Até fevereiro passado, tinham 67 mil eleitores com títulos irregulares no Pará, 16 mil apenas em Belém. De lá para cá o número não mudou muito, de acordo com Zilomar Pereira, supervisor da Central de Atendimento ao Eleitor (CAE). “Temos tido uma procura muito baixa. Pouquíssimas pessoas estão vindo se regularizar”, informa. O supervisor lembra que a regularização é importante, principalmente para quem não vai conseguir fazer o recadastramento biométrico antes do dia 2. 

“Quem faz o recadastramento tem o título automaticamente regularizado e todas as multas anistiadas”, explica Zilomar. Ele alerta, no entanto, que as vagas de agendamento disponíveis mais próximas são apenas do dia 20de maio em diante.

Regularização

Para se regularizar é preciso comparecer ao cartório eleitoral da CAE ou da 30ª Zona Eleitoral, em Icoaraci, com o título de eleitor, se tiver; e um documento oficial com foto. O atendimento funciona de segunda a sexta-feira, entre 8h e 13h. 

Precisa regularizar todos os eleitores que deixaram de votar e justificar nas últimas 3 eleições. Além de solicitar a informação em um cartório eleitoral, é possível verificar sua situação perante a Justiça Eleitoral por meio do portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Acesse o site e clique na opção “Consulta por nome”, localizada na aba “Eleitor”. Basta inserir seu nome completo e data de nascimento nos espaços em branco para fazer a consulta.

(Arthur Medeiros/Diário do Pará)



Leia também:

Comentários