Notícias / Pará

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Passaporte é lançado na Casa Cor

Terça-Feira, 24/11/2015, 07:56:07 - Atualizado em 24/11/2015, 08:02:13 Ver comentário(s) A- A+

Passaporte é lançado na Casa Cor (Foto: Antônio Melo)
(Foto: Antônio Melo)

O guia de bolso “Passaporte Belém by night – 80 coisas para fazer aqui” foi lançado, na noite de ontem, na Casa Cor Pará. O produto reúne dicas de grandes apreciadores da noite paraense: a colunista social e editora do Você, Esperança Bessa; o radialista e colunista da revista “Toda Up!”, Janjo Proença; o barman Armando Costa e o DJ Paulinho Fidalgo. O lançamento aconteceu no espaço Lounge, do grupo RBA, na Casa Cor Pará. “É interessante para nós paraenses saber um pouco mais do que podemos desfrutar na nossa cidade”, elogiou o cabeleireiro Silvio Marthan, 40 anos, enquanto olhava, com curiosidade, o guia.

As dicas da noite paraense foram cuidadosamente pensadas para todos os gostos e bolsos. Dentre os destaques de Paulinho Fidalgo, por exemplo, está a qualidade dos diversos ambientes na noite de Belém. “O passaporte veio para dar um ‘up’ para o que tem de bom na cidade. A gente tem qualidade para todo tipo de público, por isso me preocupei em dar indicações para todos os gostos e bolsos.”

PÚBLICO

Armando Costa, por sua vez, afirma que sempre gostou de indicar os lugares do qual gosta. Neste sentido, o guia proporcionou que ele ampliasse o público alvo das dicas. “Quando damos referências para um amigo é bom. Quando fazemos isso para milhões de pessoas é muito melhor.”

Janjo Proença lembra que, quando recebeu o convite para participar do projeto, sentiu uma grande satisfação pelo privilégio de poder indicar lugares que considera bons. “Foi tipo gravar um CD com as músicas bacanas que você gosta. Para mim, escolher e perceber quais os locais que achamos bem atuais e alegres foi muito gratificante”, disse. Já Esperança Bessa afirma que teve o cuidado em destacar os ambientes mais alternativos e baratos, assim como os seus espaços culturais preferidos. “Quis fazer um circuito mais alternativo. Não apenas barzinhos, mas também espaços culturais de obras de arte, mostrando que em Belém existem espaços para todos os públicos, bolsos e horários”, destacou.

(Camila Barreto/Diário do Pará)

Leia também:

Comentários