Notícias / Mundo

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Plataforma quer revolucionar educação brasileira por meio da inovação

Quinta-Feira, 07/12/2017, 10:00:03 - Atualizado em 07/12/2017, 10:00:03 Ver comentário(s) A- A+

Plataforma quer revolucionar educação brasileira por meio da inovação (Foto: Desenvolvedores do 'Colabore' durante evento de lançamento no Rio (Foto: Divulgação))
(Foto: Desenvolvedores do 'Colabore' durante evento de lançamento no Rio (Foto: Divulgação))
Desenvolvedores do

Especialistas em educação costumam ser enfáticos quando vão explicar como o modelo atual de ensino é ultrapassado. Eles dizem que, se um engenheiro ou um médico do século 19 fossem transportados para nossos dias, não saberiam nem por onde começar seus trabalhos em uma fábrica ou dentro de uma sala de cirurgia. Já um professor não enfrentaria o mesmo problema.

Dois séculos se passaram e as transformações na estrutura e na dinâmica da sala de aula foram mínimas. Mas tudo indica que estamos às vésperas de uma revolução. “A escola não mudou porque há pouca gente pensando a mudança”, diz Thiago Almeida, diretor de inovação pedagógica do Centro Universitário Celso Lisboa, localizado no Rio de Janeiro.

Leia também:
+ Legado de Paulo Freire é defendido por uns e odiado por outros
+ Professores youtubers: conheça os canais que democratizam a educação
+ Jonathan Bergmann: “O maior problema da educação é a tradição”

Foi justamente para juntar essas pessoas que desejam desenvolver e testar novas ideias educacionais que a Celso Lisboa lançou, na última segunda-feira (4 de dezembro), a plataforma Colabore. Anunciada em um evento com palestras no estilo TEDx, no qual especialistas discutiram os novos rumos da educação, é baseada no conceito de inovação aberta.

Pensar junto fora da caixa
É uma prática ainda pouco difundida no Brasil, mas comum no exterior, na qual o processo de criação de novos produtos deixa de ser mantido em segredo e passa a ser colaborativo — membros da comunidade e até de outras empresas podem contribuir. O Colabore é a primeira plataforma de inovação aberta em educação lançada no Brasil, e visa estimular projetos inovadores tanto no ensino superior, como no básico e no médio.

Thiago Almeida, diretor de inovação pedagógica do Centro Universitário Celso Lisboa e coordenador da plataforma (Foto: Divulgação)

 

Qualquer profissional interessado em melhorar o aprendizado pode se cadastrar, basta ter uma conta no LinkedIn. A plataforma apresenta navegação intuitiva onde os usuários podem criar os próprios projetos ou então colaborar com as ideias dos outros. Nesse ambiente de cocriação, os idealizadores da ferramenta esperam facilitar o desenvolvimento e implementação de projetos inovadores.

Inovação de guerrilha
“Em geral, há um consenso de que a sala de aula precisa evoluir”, afirma Almeida, coordenador do Colabore. “O modelo com alunos enfileirados escutando o professor não gera bons resultados.”

Desde 2015, Almeida e sua equipe de designers e programadores romperam de vez com esse modelo, reestruturando radicalmente a forma de ensinar da Celso Lisboa, que oferece 19 cursos de graduação com mensalidades na faixa de R$ 400.

Nas aulas, os alunos são divididos em grupos de cinco ou seis pessoas e desenvolvem juntos alguns projetos ao longo do semestre. Dois professores circulam pelas mesas, cada uma com computador próprio e uma grande tela, para tirar dúvidas e ensinar.

Não há conteúdo expositivo — o conhecimento é adquirido colaborativamente entre os estudantes. O professor apenas coordena o processo e intervém aqui ou ali para instruir, além de avaliar não por meio de provas e notas, mas pelo desempenho nas atividades.

“Meu sonho é que daqui a 10 anos as pessoas possam ouvir falar da educação brasileira como hoje falamos da finlandesa”, diz Almeida. Com o Colabore, que além da plataforma também deve se consolidar como evento anual de palestras sobre educação e tecnologia, a ideia é espalhar abordagens ousadas pelas escolas de todo o Brasil.

Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app da Globo Mais para ver reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo. Você também pode assinar a revista, por R$ 4,90 e baixar o aplicativo da GALILEU.

Fonte: Revista Galileu





Comentários