Notícias / Elas

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Maíra Charken relata drama em parto humanizado e diz que cesária salvou seu filho

Quinta-Feira, 05/10/2017, 22:28:18 - Atualizado em 05/10/2017, 22:33:26 Ver comentário(s) A- A+

Maíra Charken relata drama em parto humanizado e diz que cesária salvou seu filho (Foto: Reprodução Instagram)
(Foto: Reprodução Instagram)

A ex-apresentadora do Vídeo Show, Maíra Charken, deu à luz ao pequeno Gael na madrugada desta quinta-feira (5), após ficar cerca de 12 horas em trabalho de parto, dentro de casa. No entanto, a presença de mecônio no líquido amniótico e a baixa dos batimentos cardíacos do bebê mudaram os planos de Maíra, que fez um relato dramático e emocionado sobre a experiência.

Gael é fruto do relacionamento de Maíra com Renato Antunes. O casal está junto desde que se conheceu nos bastidores do quadro "Saltimbum", do "Caldeirão do Huck", do qual ela participou e venceu no fim de 2016.

Ontem vivi um parto duplo e quero compartilhar tudinho com vcs! Quem me acompanha, já sabia de todo desejo e todo planejamento pra que eu tivesse um parto domiciliar. Meu pré-natal foi todo perfeitinho e só confirmando cada vez mais o plano de parir em casa. E assim seguimos confiantes e levando a gravidez da forma mais saudável possível. Então vamos ao relato do dia que mudou a minha vida: meu trabalho de parto teve início ao meio-dia de ontem, com contrações de intensidade média, e intervalos de 10 min e foi ficando sério com o passar do tempo. Sério a ponto de simplesmente não ter mais intervalos entre elas e de, a cada contração, eu achar que era a morte vindo me buscar. Mas tava decidida! Tava quase, gente, quase, quase! Gael tava quase entrando no expulsivo, quase dando o ar da sua cabecinha, quando o trabalho de parto estagnou. Horas a fio, eu já semi morta de tanta exaustão e dor e Gael sempre firme e forte, sendo monitorado. Já quase meia-noite e nada do expulsivo, minha parteira maravilhosa, @mlibertad, decide fazer o exame de toque pra saber da minha dilatação e nesse momento, acabou rompendo minha bolsa, que até então tava intacta. Ela faz o exame, olha sério pra mim e diz "você vai ter que ir pro hospital, tem mecônio (cocô do bebê) no líquido amniótico e os batimentos do Gael tão caindo." Gelei tanto, que as dores até passaram. De repente fui vendo meu parto tomando novos e difíceis rumos. Saímos todos da minha casa numa comitiva rumo à @grupo.perinatal sem saber ao certo qual tinha sido o grau da complicação e qual seria a solução a se tomar. No caminho até o hospital, quase não se ouvia mais o coração de Gael. Baque master, entrei em choque. De casa pro carro, na viagem até a maternidade e da portaria da maternidade à sala de exames, eu só parava mesmo pra contrair, de tanto que era meu desespero. Chegando lá, que alívio!! Os exames mostraram que Gael tava firme e forte com seu coração de guerreiro, mas a questão mecônio mudou radicalmente nossos destinos. Eu jurava que conseguiria seguir com meu parto natural de forma hospitalar e que seríamos felizes para sempre. (continua nos comentários 👇🏽)

Uma publicação compartilhada por Maíra Charken (@mairacharken) em

Leia o relato na íntegra:

“Ontem vivi um parto duplo e quero compartilhar tudinho com vocês! Quem me acompanha, já sabia de todo desejo e todo planejamento pra que eu tivesse um parto domiciliar. Meu pré-natal foi todo perfeitinho e só confirmando cada vez mais o plano de parir em casa.

E assim seguimos confiantes e levando a gravidez da forma mais saudável possível. Então vamos ao relato do dia que mudou a minha vida: meu trabalho de parto teve início ao meio-dia de ontem, com contrações de intensidade média, e intervalos de 10 min e foi ficando sério com o passar do tempo. Sério a ponto de simplesmente não ter mais intervalos entre elas e de, a cada contração, eu achar que era a morte vindo me buscar. Mas tava decidida! Tava quase, gente, quase, quase!

Gael tava quase entrando no expulsivo, quase dando o ar da sua cabecinha, quando o trabalho de parto estagnou. Horas a fio, eu já semi morta de tanta exaustão e dor e Gael sempre firme e forte, sendo monitorado.

Já quase meia-noite e nada do expulsivo, minha parteira maravilhosa decide fazer o exame de toque pra saber da minha dilatação e nesse momento, acabou rompendo minha bolsa, que até então tava intacta. Ela faz o exame, olha sério pra mim e diz “você vai ter que ir pro hospital, tem mecônio (cocô do bebê) no líquido amniótico e os batimentos do Gael tão caindo”. Gelei tanto, que as dores até passaram.

De repente fui vendo meu parto tomando novos e difíceis rumos. Saímos todos da minha casa numa comitiva rumo à Grupo Perinatal sem saber ao certo qual tinha sido o grau da complicação e qual seria a solução a se tomar.

No caminho até o hospital, quase não se ouvia mais o coração de Gael. Baque master, entrei em choque. De casa pro carro, na viagem até a maternidade e da portaria da maternidade à sala de exames, eu só parava mesmo pra contrair, de tanto que era meu desespero. Chegando lá, que alívio!!

Os exames mostraram que Gael tava firme e forte com seu coração de guerreiro, mas a questão mecônio mudou radicalmente nossos destinos. Eu jurava que conseguiria seguir com meu parto natural de forma hospitalar e que seríamos felizes para sempre.

Outro baque veio quando a médica disse “você tem que ir agora pro centro cirúrgico. Precisamos fazer uma cesárea de emergência”. Meu mundo caiu, meu chão sumiu, meu útero contraiu. Em 5 minutos já estava lá, anestesiada, esperando que me cortassem. E deixa eu falar, foi tudo lindo, foi tudo humanizado e respeitoso desde o início e foi o que salvou meu filho!

Eu escrevo contando tudo com lágrimas nos olhos, porque sei que a cesárea salvou a vida do Gael! Uma cesárea responsável e necessária foi determinante pra que hoje eu tivesse meu filho lindo mamando incessantemente no meu peito e cheio de vida! Se foi frustrante ver tudo mudar diante dos meus olhos? Não vou ser hipócrita de dizer que não, mas, gente, fiz tudo pelo Gael e faria tudo novamente. Dois partos!

Dei tudo de mim e fiz tudo o que pude. Me entreguei naquelas 12 horas de parto domiciliar e naqueles minutos de cesárea, que encaro como uma extensão do parto dos meus sonhos. E não engravidei pelo parto, e sim pelo filho e, pela vida dele, eu abro mão de qualquer plano, qualquer ideia e sonho.

Não temos o controle de nada, não somos nada e a vida só tem esfregado essa grande lição na minha cara. E tá esfregando também essa gostosura que é o Gael, um lindo libriano com ascendente em câncer, nascido 5/10/2017, em noite de lua cheia, pesando 3,155kg e medindo (sem zueira) 52cm! Meu gigante magrelo chegou chegando e já provando que vai zuar a porra toda! Filho, seja bem-vindo!”.

(Com informações do portal Bebê mamãe)





Comentários