Notícias / Concursos e Empregos

DOL CONCURSOS

Conheça os sete pecados capitais do concurseiro

Terça-Feira, 17/07/2018, 14:02:10 - Atualizado em 17/07/2018, 15:05:14 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Conheça os sete pecados capitais do concurseiro (Foto: Reprodução)
As dicas vão ajudar você a chegar mais perto da tão sonhada aprovação em um concurso público. (Foto: Reprodução)

O DOL Concursos separou para você, concurseiro, sete erros fatais para quem quer ter a chance de ocupar um cargo público e alcançar a tão desejada estabilidade financeira. São atitudes comuns, que fazem toda a diferença na hora de se preparar para um concurso. Seguindo esses conselhos, você não correrá o risco de percorrer um caminho de um verdadeiro filme de terror, com consecutivas reprovações e fracassos. Confira:

1) Não avaliar se possui os dons, atributos e requisitos para o bom exercício do cargo.

A remuneração inicial, sem dúvida, pesa muito na hora da decisão por um ou outro concurso. Outro fator que também é levado em consideração é a concorrência e o número de vagas ofertado pelo certame. No entanto, esses fatores não podem sobressair em relação à avaliação sobre a aptidão e a vocação para a carreira desejada. Do contrário, o candidato pode não cumprir devidamente as atribuições do cargo que assumir. A afinidade com a carreira escolhida é decisiva para que o servidor mantenha o emprego, tenha um futuro profissional brilhante e seja feliz no trabalho, mesmo que tenha pretensões futuras de fazer outros concursos. Às vezes, o candidato deseja muito trabalhar em um banco, mas detesta o estudo das matérias exatas como raciocínio lógico, matemática comercial e financeira. Deseja trabalhar em um Tribunal, mas detesta lidar com atendimento ao público. A afinidade com o cargo deve ser levado em consideração. O salário pode ser tentador, mas ele com certeza não vai deixá-lo feliz, caso esteja exercendo alguma atividade com a qual não tenha nenhum tipo de vocação. Certamente, você não vai crescer na carreira e ainda estará fazendo um desserviço à sociedade e a si mesmo. Então, na hora de escolher um cargo público, coloque os prós e contras em uma balança, procure conhecer o cargo e as atividades exercidas por ele. Caso perceba que não é o que você esperava, não hesite em buscar outro concurso com o qual tenha mais afinidade. 

2) Não “traduzir” o edital

O ponto inicial para a aprovação em um concurso é uma boa leitura do edital. Um candidato competitivo lê, pelo menos, três vezes todo o conteúdo da norma que rege o certame. Conhece a lei da carreira, a forma de progressão e promoção, bem como os requisitos para o pleno desempenho das atribuições do cargo. O edital traz os critérios de desempate, critérios de correção da prova, pesos das disciplinas, se é inteligente chutar ou não, a forma de ingresso com recursos etc. Resumindo: o edital traz “as regras do jogo”. Um vencedor entra em uma competição com pleno conhecimento de todas as regras para usá-las a seu favor. Faça o mesmo quando estiver disputando vagas nos concursos públicos! Veja as dicas que o DOL Concursos separou para você fazer uma leitura correta do edital.

3) Desconhecer sua excelência a banca examinadora, inimiga a ser batida

Conhecer bem o inimigo, o concorrente, é chave para vencer batalhas e a guerra final: a aprovação com a desejada classificação no concurso. É preciso saber se a banca cobra mais texto legal, doutrina, jurisprudência ou tudo junto e misturado; se os comandos privilegiam mais a marcação do certo, do incorreto, da escorreita (a maiscorreta), se prestigia a correlação ou outra forma de cobrança. Para isso, é essencial buscar questões realizadas pela banca em provas anteriores. Caso a banca tenha realizado poucos concursos, recomendamos buscar questões de bancas com perfil similar. 

4) Esquecer de ensaiar para o dia D, ou seja, não estudar no tempo da prova

O edital informará o prazo da prova e o candidato precisa levar isso em consideração desde o primeiro dia de preparação. Recomendamos fortemente que ao menos algumas vezes o concurseiro simule as condições do exame. Tal simulação de treino oferece o preparo da mente para tolerar o esforço exaustivo do dia da prova, sem estranharficar três ou quatro horas focado em ser uma máquina de responder questões. Procure estudar com materiais que ofereçam a você a possibilidade de treinar questões de concurso. Os bancos de questões são fundamentais para garantir sua aprovação. Então, treino é a palavra de ordem. É assim no esporte, na música, nas artes e não poderia ser diferente na preparação para passar em concursos públicos.

5) Não ter um planejamento profissional de estudos

A preparação para concursos públicos é uma verdadeira rotina de operário dos estudos. O candidato precisa planejar cuidadosamente seu tempo e nunca quebrar o cronograma, salvo em casos de emergências muito importantes. Percebemos a importância de um sólido planejamento ao ver candidatos que trabalhavam oito horas por dia, tinham filhos e, mesmo assim, conseguiram classificações superiores aos candidatos que poderiam focar o dia inteiro nos estudos. Saiba como é possível conciliar trabalho e estudo para concurso. Quem não conhece uma pessoa que parece viver em outro mundo que tem mais de 24 horas por dia? O segredo é planejamento. 

6) Não esgotar o conteúdo programático contido no edital

É comum ouvir relatos de candidatos que só estudavam alguns itens do edital ou aqueles que mais se identificavam ou acham mais provável cair na prova, ignorando alguns itens do edital. Esse tipo de atitude costuma ser determinante para o mau desempenho nas provas. O candidato nunca deve achar que este ou aquele item é menos importante e não cairá na prova. Ao contrário, o concurseiro deve ter em mente que deve estudar todo o conteúdo exigisdo pela banca examinadora. A única exceção que vejo para não estudar todo o conteúdo é caso a publicação do documento venha com muitas novidades em relação ao certame anterior e haja um prazo curtíssimo para a prova, ao ponto deser humanamente impossível fechar o conteúdo. Nessa situação, é necessário montar uma operação de guerra com base em estatísticas e autoanálise dos conhecimentos que o candidato já possui. Para quem estuda de médio a longo prazo, o risco de ter que encarar tal situação se minimiza consideravelmente, pois o candidato já estará bastante familiarizado com a maioria das disciplinas quando o edital for publicado.

7) Fazer experiências nos dias que antecedem a prova

Isso é loucura. Um exemplo pra esse tipo de situação é uma simples saída para comer algo diferente na véspera da prova. Esse pode ser um erro fatal e que pode levar você a perder a prova ou não conseguir fazê-la com a atenção necessária para ter um bom desempenho. Uma simples dor de barriga, no dia seguinte, pode lhe tirar a concentração e custar a vaga. Há, ainda, aqueles que querem fazer milagres na última semana de estudos e viram noites consecutivas estudando, aumentando as chances de ficarem doentes por causa da natural redução da imunidade de um corpo cansado. Se o seu corpo não está acostumado a dormir três horas por dia, não tente fazer isso na semana da prova. Faça o que você conhece. Poupe a sua saúde com extremo zelo. Um corpo cansado e doente, no dia da prova, pode lhe custar preciosos pontos e, consequentemente, o seu sonho.

Se você, concurseiro (a), não cometer esses pecados capitais e continuar firme em seu projeto de médio a longo prazos de mudança de vida, certamente, estará em breve tendo a felicidade da conquista da carreira pública.

Quer saber quais  os certames mais procurados da atualidade e os salários dos cargos ofertados? Inscreva-se abaixo e receba a relação.

Faça parte dessa rede!

 

(Com informações do Manual do Servidor)



Conteúdo Relacionado:





Comentários

Destaques no DOL