Notícias / Brasil

NOVO GOVERNO

Presidente do Ibama pede demissão após críticas de Bolsonaro

Segunda-Feira, 07/01/2019, 20:23:30 - Atualizado em 07/01/2019, 20:34:55 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Presidente do Ibama pede demissão após críticas de Bolsonaro (Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

A presidente do Ibama, Suely Araújo, anunciou sua demissão nesta segunda-feira (7) após receber uma série de críticas do presidente Jair Bolsonaro. À frente do órgão ambiental desde junho de 2016, ela tomou a decisão um dia após o novo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o presidente questionarem via Twitter um contrato de locação de viaturas assinado por ela em dezembro.

A saída de Salles já era aguardada por muitos especialistas. Ela divulgou publicamente no domingo uma parte do contrato entre o Ibama e a Companhia de Locação das Américas publicado no dia 10 de dezembro no Diário Oficial acompanhado da mensagem: “Quase 30 milhões de reais em aluguel de carros, só para o IBAMA….”

Na sequência, Bolsonaro compartilhou a mensagem do ministro, elevando o tom. “A certeza é; havia todo um sistema formado para principalmente violentar financeiramente o brasileiro sem a menor preocupação!” Escreveu ainda que seu governo está “em ritmo acelerado, desmontando rapidamente montanhas de irregularidades e situações anormais que estão sendo e serão comprovadas e expostas”.

Nenhum dos dois explicou se haveria algum problema com o contrato e, alguns minutos depois, o presidente apagou seu post sobre o assunto. As mensagens se seguem a uma sequência de ataques ao Ibama que Bolsonaro vem fazendo desde a campanha, como a alegada existência de uma “indústria de multas” por parte do órgão.

Em nota o Ibama afirmou que tratava-se de uma “acusação sem fundamento” que “evidencia completo desconhecimento da magnitude do Ibama e das suas funções”. Disse também que a “presidência do Ibama refuta com veemência qualquer insinuação de irregularidade na contratação”.

Segundo o órgão, o contrato – de R$ 28,7 milhões – se refere à locação de “393 caminhonetes adaptadas para atividades de fiscalização, combate a incêndios florestais, emergências ambientais, ações de inteligência, vistorias técnicas etc”. A nota acrescenta ainda que ele é válido para todo o País e “inclui combustível, manutenção e seguro, com substituição a cada 2 anos”.

O Ibama informou também que “o valor estimado inicialmente para esse contrato era bastante superior ao obtido no fim do processo licitatório, que observou com rigor todas as exigências legais e foi aprovado pelo TCU”.

(Fonte: Uol)




Conteúdo Relacionado:





Comentários

Destaques no DOL