Notícias / Brasil

FAMÍLIA PEDE AJUDA

Amapaense linchado na Bolívia se preparava para passar o natal com a família

Quarta-Feira, 21/11/2018, 17:17:35 - Atualizado em 21/11/2018, 17:29:47 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Amapaense linchado na Bolívia se preparava para passar o natal com a família (Foto: Arquivo Pessoal)
Vinícius Maciel estava há menos de um ano em San Julián, na Bolívia, quando foi linchado e enforcado por multidão enfurecida. (Foto: Arquivo Pessoal)

Vinícius Chagas Maciel, de 32 anos, era mais um brasileiro que começava uma vida no exterior em busca da melhora de vida. Nascido no município de Santana, considerada a segunda maior cidade do estado do Amapá, ele seguiu uma proposta de emprego na cidade de San Julián (Bolívia) onde estava há pouco menos de um ano.

"Ele soube por um amigo que lá tinham várias propostas de emprego, então ele decidiu ir. Ele trabalhava em várias funções, como borracheiro ou ajudante de pedreiro. Todo o dinheiro que ele conseguia ele dividia com a nossa mãe e a filha dele [ambas moram no Amapá]", contou a irmã de Vinícius, Vitória Maciel, por telefone ao DOL.

De pouco em pouco, Vinicius criava a vida que tanto buscava através dos trabalhos que fazia. Todo o esforço estava centrado em trazer a filha e a esposa que ficaram em sua terra natal. "Nós conversávamos bastante. Um dia antes de ele morrer, ele me disse o quanto me amava e como estava com saudades da nossa mãe, da filha dele, e que se preparava para passar o natal com a gente", contou Vitória, com a voz embargada.

Assim como noticiado com exclusividade pelo DOL, Vinícius foi linchado e enforcado por populares bolivianos após cobrar a dívida de um casal. Na versão contada por eles, ambos estariam sendo assaltados por Vinícius.

A respeito desse assunto, Vitória é firme: “Pelo que a gente conversava, ele não demonstrava ter qualquer tipo de problema na Bolívia, mas que tinha uma vida tranquila. Ele sempre foi uma pessoa querida por todos nós. A gente acha que a cobrança feita a esse casal foi algo de trabalho”.

PROBLEMAS

Como se não bastasse a brutalidade da morte do santanense, que deixou famílias e amigos desamparados, é preciso agora enfrentar a burocracia para o traslado do corpo.

"Nós tentamos contato com o Consulado Boliviano, mas eles não tão dando apoio. Disseram que ele tá como indigente. Nossa mãe [uma senhora de 56 anos] precisou ficar sedada e a esposa dele tá inconsolável. Agora quem cuida disso é o nosso tio. Já conseguimos os documentos. Recorremos a uma agência funerária, que garantiu o traslado no valor de R$15 mil apenas até Belém [estado do Pará], depois que chegar lá, a gente vai precisar se virar", lamenta.

DOAÇÕES

Agora a família corre contra o tempo em busca de recursos financeiros para arcar com o traslado do corpo de Vinícius Maciel. Um amigo da família disponibilizou uma conta e qualquer valor é bem-vindo: Banco do Brasil - /// Agência: 4544-6 /// c.c: 28301-0 /// em nome de Tiago Souza

Qualquer dúvida, pode entrar em contato diretamente com a irmã de Vinícius, Vitória Maciel, pelo número (96) 991042865.

(Fernanda Palheta/DOL)



Conteúdo Relacionado:





Comentários

Destaques no DOL