Notícias / Brasil

43% SEM DIREITOS

Quase metade dos trabalhadores brasileiros estão na informalidade, aponta IBGE

Sábado, 03/11/2018, 14:36:58 - Atualizado em 03/11/2018, 14:36:58 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Quase metade dos trabalhadores brasileiros estão na informalidade, aponta IBGE (Foto: Kleberson Santos/DOL)
Renildo sai diariamente com o isopor pelas ruas de Belém (Foto: Kleberson Santos/DOL)

43% dos trabalhadores brasileiros estão em situação informal, ou seja, sem nenhum direito trabalhista assegurado. É o que aponta os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE),

Esse é o maior número de empregados nessa situação já medido pelo IBGE desde que a nova metodologia passou a separar trabalhadores autônomos com e sem CNPJ, em 2015.

Os dados são do trimestre entre junho e setembro, mensurados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). A pesquisa identificou 92,6 milhões brasileiros empregados. Destes, 39,7 milhões, quase a metade, estão sem carteira assinada.

A informalidade medida pelo IBGE soma pessoas sem registro nos setores público e privado, pessoas que trabalham por conta própria, porém sem CNPJ e também trabalhadores domésticos sem carteira de trabalho. Além disso os dados incluem quem trabalha em família.

A pesquisa revela também que o desemprego no Brasil, nesse período, chegou a 11,9%, caindo meio ponto percentual desde o trimestre anterior.

Segundo o Cadastro de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho (Caged), setembro foi o melhor mês em cinco anos no saldo entre trabalhadores demitidos e admitidos. Foram 137.336 postos no saldo mensurado pelo Caged.

No entanto, o mesmo instituto aponta que a média salarial dos trabalhadores admitidos foi a menor em dez meses. O salário médio é de R$ 1.516,89.

Segundo o IBGE, dos 39,7 milhões de trabalhadores informais, uma fatia de 11,5 milhões está empregada no setor priovado sem carteira de trabalho e 18,9 milhões trabalham como autônomos sem CNPJ. Outros 4,5 milhões são trabalhadores domésticos sem carteira de trabalho, 2,6 milhões são funcionários públicos sem carteira e mais 2,2 milhões vivem auxiliando a família em trabalho informal.

(Fonte: Agência Brasil)

 



Conteúdo Relacionado:





Comentários

Destaques no DOL