Notícias / Brasil

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Gastos com microcefalia podem chegar a R$ 34,9 bilhões no Brasil

Quarta-Feira, 16/08/2017, 13:01:01 - Atualizado em 16/08/2017, 13:01:01 Ver comentário(s) A- A+

Gastos com microcefalia podem chegar a R$ 34,9 bilhões no Brasil (Foto: Agência Brasil)
Relatório da ONU diz na América Latina e no Caribe valor alcançará R$ 92,5 bilhões. (Foto: Agência Brasil)

Um estudo do Programa das Nações Unidas em parceria com a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha apresentado na última terça-feira (15), apontou que a microcefalia consumirá até US$ 28,9 bilhões, ou seja, cerca de R$ 92,5 bilhões na América Latina e no Caribe.

Segundo o relatório, o Brasil responderá por uma fatia que varia de 40% a mais de 90% do custo total previsto, ou seja, entre US$ 2,9 bilhões e US$ 10,9 bilhões, o equivalente a cerca de R$ 9,3 bilhões e R$ 34,9 bilhões, respectivamente.

A pesquisa “Uma avaliação do impacto socioeconômico do vírus zika na América Latina”, usou caos do Brasil, Colômbia e Suriname. O objetivo do estudo foi traçar estimativas regionais, levando em consideração os cenários das taxas de infecção conservadoras, médias e elevadas.

Despesas médicas e perda de produtividade e alta da mortalidade também foram contabilizados.

Segundo o relatório, o alto montante gasto pelo Brasil se deu não só pelo tamanho da população, mas também pela elevada probabilidade de filhos de grávidas com zika nascerem com a malformação, correspondente a 10,67%.

No Brasil, desde o fim de 2015, quando a epidemia foi identificada, 2.844 casos de microcefalia ou outras alterações relacionadas ao zika foram confirmados. Segundo o estudo da ONU, cada caso custa US$ 890 mil ao longo da vida no Brasil.

De acordo com o relatório, as brasileiras de mais baixa renda e escolaridade foram as menos atingidas por políticas de saúde e planejamento familiar.

O estudo faz um alerta sobre a necessidade de zelar pela saúde sexual e reprodutiva feminina, com acesso a informações precisas e métodos de contracepção, além de outros cuidados.

(Com informações do O Globo)





Comentários