Notícias / Brasil

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Polícia Federal indicia Lula e Palocci

Segunda-Feira, 12/12/2016, 22:29:58 - Atualizado em 12/12/2016, 23:03:46 Ver comentário(s) A- A+

Polícia Federal indicia Lula e Palocci (Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode vir a ser denunciado em um novo caso envolvendo a Operação Lava Jato. A Polícia Federal concluiu inquérito nesta segunda-feira(12) e decidiu indiciar Lula por corrupção passiva, por ter recebido supostos benefícios da Odebrecht na compra de um terreno que seria utilizado para a construção de uma nova sede para o Instituto Lula e pelo aluguel do apartamento vizinho ao que Lula mora.

No mesmo inquérito, também foram indiciados a ex-primeira-dama, Marisa Letícia e o ex-ministro Antônio Palocci, além de empresários (Glucos da Costamerques e Demerval de Souza Gusmão Filho), do advogado de Lula Roberto Teixeira e do assessor de Palocci Branislav Kontic – todos por lavagem de dinheiro.

Na investigação, a PF concluiu que Marcelo Odebrecht cometeu o crime de corrupção ativa, mas, como o empresário já foi condenado pelo mesmo crime, ele não foi novamente indiciado. O mesmo aconteceu com o pecuarista José Carlos Bumlai, para o crime de lavagem de dinheiro.

O inquérito aponta que Palocci seria angariador de propinas para o PT junto à Odebrecht, em troca de influência junto ao governo federal. Lula seria um dos beneficiários dessa propina, com a cessão (que acabou não acontecendo) de um terreno para a construção de uma nova sede para seu instituto e com a compra por Costamarques (sobrinho de Bumlai) do apartamento vizinho ao de Lula, em São Bernardo do Campo, que é alugado para Marisa, mas, de acordo com as investigações, sem pagamento de qualquer valor correspondente ao aluguel.

Segundo o inquérito, o apartamento teria sido comprado para Lula, com recursos das propinas da Odebrecht e registrado em nome de Costamarques para ocultar a propriedade.

Outro lado

Em nota, o advogado de Lula Roberto Teixeira, também indicado no caso diz que o indiciamento é a constatação de que “alguns agentes do Estado brasileiro estejam usando de seus cargos para promover retaliações contra aqueles que, no exercício do seu dever profissional, contestam e se insurgem contra ilegalidades e arbitrariedades”. Ele questiona o fato de ter sido indicado, juntamente com seu cliente, menos de um dia útil depois de ter apresentado, por escrito, esclarecimentos ao delegado acerca dos fatos investigados.

“O delegado federal Marcio Anselmo recebeu resposta aos quesitos apresentados na última sexta-feira, 09/12, às 20h30min. Isso significa dizer que recebi a notícia do meu indiciamento menos de um dia útil após haver encaminhado os esclarecimentos solicitados – com as provas correspondentes -, em clara demonstração de que o ato já estava preparado e não havia efetivo interesse na apuração dos fatos”, diz o advogado.

“Não tenho dúvida de que minha atuação como advogado do ex-Presidente Lula, bem como em outros processos e procedimentos em que estou constituído ao lado de outros colegas advogados foram decisivos para o indiciamento realizado pelo delegado federal Marcio Anselmo. O ato não é proveniente de uma apuração ou de uma investigação, mas de um objetivo previamente estabelecido em busca de retaliação e de causar prejuízo à minha atividade profissional”, critica o advogado.

(Com informações de UOL)

Leia também:

Comentários