Notícias / Brasil

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Alunas denunciam professor após sexo por notas

Quinta-Feira, 09/07/2015, 17:10:00 - Atualizado em 09/07/2015, 17:45:21 Ver comentário(s) A- A+

Alunas denunciam professor após sexo por notas (Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Em troca de "boas notas" duas alunas, adolescentes, afirmaram em depoimento à polícia que “transaram”, em um motel, com o professor de História da instituição em que estudam.

O docente, Adriano Knippelberg de Moraes, de 29 anos, faz parte do quadro de funcionários do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), campus Bela Vista, em Cuiabá.

O acusado foi preso no dia 30 de junho, após uma das vítimas do assédio ir à Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica) para denunciá-lo.

Para provar o fato, a jovem, que estava acompanhada da mãe, levou uma conversa erótica que ele tentou manter com ela pelo Whatsapp.

Uma terceira aluna também confirmou que manteve relações sexuais com o professor, mas afirmou que foi apenas por desejo. No entanto, o delegado da Deddica, Eduardo Botelho, que pediu a prisão temporária do acusado, investigou o histórico escolar dela e verificou que as notas na disciplina melhoraram muito.

“Estranhamente a nota dela aumentou, indicando que ela pode estar mentindo”, suspeita o delegado, que está buscando saber quem é uma quarta aluna, que teria feito sexo com Adriano, no banheiro do IFMT.

“Outros alunos viram a cena e eu já sei o apelido dela”, informa o delegado. As alunas, vítimas de abuso e aliciamento sexual, têm idades entre 15 e 17 anos.

No Facebook, o professor Adriano se mostra evangélico e defensor da moral, de valores conservadores, da família e dos bons costumes. Faz campanha contra o casamento gay e as formas alternativas à heterossexual de expressar a identidade sexual.

(DOL com informações do portal Terra)

Leia também:

Comentários