Esporte / Pará

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Conheça o começo da carreira da lenda Edil

Domingo, 16/08/2015, 12:09:32 - Atualizado em 16/08/2015, 12:55:33 Ver comentário(s) A- A+

Conheça o começo da carreira da lenda Edil (Foto: Fernando Araújo)
Highlander, o guerreiro imortal, foi uma da marcas registradas de Edil (Foto: Fernando Araújo)

Poucos atletas no futebol têm a oportunidade de escrever sua história em dois rivais seculares. Mas, para o atacante Edil, o desafio nada mais foi do que um hábito recorrente no período de 20 anos em que jogou profissionalmente. Pelos dois maiores times do Estado, Edil colecionou gols, títulos e feitos que jamais foram apagados.

A história da lenda de Edil começou no Paysandu, onde entrou ainda na escolinha, aos 12 anos de idade. “Passei pela escolinha, infanto, junior e me profissionalizei com 16 anos”, lembra. No bicolor, ele lembra bem de como foi recebido e retribuía o carinho da torcida. “Quando eu comecei no Paysandu, a torcida apoiava mesmo. Ela ia para o estádio. Na década de 1990, nós tínhamos uma regra onde era proibido perder para time pequeno. Não aceitávamos. Éramos obrigados a ganhar todos, até porque o nosso time tinha investimento maior, mais estrutura. Tiradentes, Pinheirense, Izabelense, a gente atropelava todos”, afirma.

Lá, ele contabiliza cinco títulos estaduais e alguns jogos memoráveis. “Um muito especial foi o 3 a 0 sobre o Guarani, no Mangueirão, pela Série A de 1992”. Nesta época, ele voltava do Vasco, mas ainda teve outros retornos que marcaram tanto quanto. “Em 92, eu estava no Vasco, aí no final da temporada retornei para o Paysandu. Depois ainda voltei em 2000 e 2001. Nessa época, eu ganhei a Copa Norte. Construí muita coisa e depois veio o Vandick e comeu o filé”, brinca o ex-jogador.

Foram tantos gols que ele não elege os mais importantes, mas das temporadas de 86, 87, 92 e 2001, alguns jogos estão guardados até hoje na memória. “Disputamos um amistoso, era a Copa Yamada. Nesse jogo, se perguntares por aí, vencemos o Remo por 4 a 0. Advinha quem fez os quatro gols?”, encerra.

(Diário do Pará)

Leia também:

Comentários