Notícias / Mundo

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Francisco é o primeiro papa não europeu

Quarta-Feira, 13/03/2013, 17:11:44 - Atualizado em 13/03/2013, 18:05:03 Ver comentário(s) A- A+

Francisco é o primeiro papa não europeu (Foto: Reprodução/CNN)
(Foto: Reprodução/CNN)

Jorge Mario Bergoglio, o novo Papa Francisco I, disse nesta quarta-feira (13), durante seu primeiro pronunciamento aos fiéis, que "parece que os cardeais foram buscar o novo pontífice no fim do mundo", em referência a seu país, a Argentina, país latino da América do Sul.

A decisão pelo argentino surpreendeu, pois Bergoglio não aparecia nas últimas listas de favoritos, que incluíam o brasileiro Dom Odilo Scherer e o italiano Angelo Scola. É o primeiro papa não europeu da história da Igreja Católica Apostólica Romana.

Vestido inteiramente de branco, Francisco I apareceu no balcão central da Basílica de São Pedro, cerca de 1h20 depois do aparecimento da fumaça branca na chaminé da Capela Sistina. Já era noite no Vaticano quando foi anunciado o nome do novo papa, eleito com dois terços dos votos dos cardiais do conclave.

Em seu pronunciamento, o novo papa - que adotou o nome até então inédito - pediu orações à Bento XVI, agora Papa Emérito Bento XVI. Francisco I também pediu que os fiéis orassem pelo pontificado que se inicia, "Rezem por mim e nos veremos em breve", pedindo que o povo o abençoasse e rezasse por ele.

Perfil 

De origem jesuíta Jorge Mario Bergoglio formou-se engenheiro químico, porém escolheu posteriormente o sacerdócio e entrou para o seminário em Villa Devoto. Em 1958, ingressou no noviciado da Companhia de Jesus (jesuítas). Em 1963, estudou humanidades no Chile, retornando posteriormente a Buenos Aires.

Entre os anos de1964 a 1965, Bergoglio foi professor de literatura e psicologia no Colégio Imaculada Conceição de Santa Fé. No ano de 1966, ensinou as mesmas matérias em um colégio de Buenos Aires. De 1967 a 1970, estudou teologia e em 13 de dezembro de 1969, foi ordenado sacerdote.

Bergoglio se destaca por sua forte personalidade e pelo afrontamento declarado à atual força política do país, o Kirchnerismo. Seu conservadorismo é notório por declarações contra o aborto e a eutanásia. O Papa é contra o casamento gay apesar de ressaltar que homossexuais merecem respeito.

Francisco I é conhecido pelo conservadorismo e pela batalha contra o kirchnerismo. Ele costuma apoiar programas sociais e desafiar publicamente políticas de livre mercado. O argentino ficou conhecido por ter sido responsável pela redação do documento sobre o segredo de Aparecida na América Latina.

(DOL)

Leia também:

Comentários