Mentor de sequestro de filho de empresário é preso

Sexta-Feira, 02/11/2012, 09:57:25 - Atualizado em 02/11/2012, 09:57:25

Tamanho da fonte: A- A+
Mentor de sequestro de filho de empresário é preso (Foto: Thiago Araújo)
Taxista ficou preso junto com o jovem. Apesar de todas as acusações, Edimar Galvão nega tudo (Foto: Thiago Araújo)

O último suspeito e mentor do sequestro de um adolescente, filho de um empresário de Marabá, foi preso na tarde de ontem. Edimar Trindade Galvão, de 45 anos, era o taxista que levava diariamente o jovem de 15 anos com a irmã e mais duas colegas para uma escola particular no centro de Belém. Policiais da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO) realizaram a prisão de Edimar em sua própria residência, na passagem São Miguel, no bairro do Jurunas, em Belém. “Depois de mais de um mês de investigações, conseguimos, através de todos os indícios, chegar ao real mentor do crime. O Edimar era quem tinha as informações privilegiadas sobre a família e por isso ele articulou e facilitou a ação do resto do grupo”, explicou o delegado diretor da DRCO, Ivanildo Santos.

Conforme o delegado só foi possível descobrir que Edimar era o articulador após todos os indícios serem comprovados pelo Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. “Ele mudou a rotina que usava para deixar a vitima. Além disso, a trava de segurança automática do carro que ele usava de transporte foi desativada, o que facilitou a ação dos bandidos. E a principal evidência foi o uso de uma linha de telefone em seu nome para fazer as negociações com a família. E tudo isso foi comprovado pela perícia”, contou Ivanildo.

Além das provas reais da perícia, a polícia ainda contou com o depoimento de um dos envolvidos no crime. José Raimundo dos Santos, vizinho de Edimar e vigia do cativeiro, relatou que o acusado estava com muitas dividas em um agiota e por isso teria tido a ideia de realizar o sequestro. “Ele (Edimar) estaria precisando de dinheiro. E por saber das condições da família e da afetividade entre o pai e o filho, chamou José Raimundo e deu a ideia do sequestro. José Raimundo foi quem arranjou todos os outros envolvidos no crime”, comentou o delegado.

Apesar de todas as acusações, Edimar, em depoimento, disse ser inocente e nunca ter se envolvido com crime organizado. “Nunca precisei disso. Sempre trabalhei para essa família e nunca tive problema”, disse ainda que “o chip usado para as negociações e registrado em meu nome, foi ideia dos sequestradores para me incriminar”. Mesmo com a tentativa de se livrar do crime, os dados da polícia apontam que o chip foi registrado três meses antes do sequestro.

Edimar foi autuado pelos crimes de formação de quadrilha, porte ilegal de arma e extorsão mediante sequestro. Ainda no dia de ontem, ele foi encaminhado para realizar exame de corpo e delito e logo após levado para um presídio da região.

O CASO
No dia 17 de setembro a DRCO recebeu a informação de que o familiar de um empresário paraense havia sido sequestrado em Belém. As informações apontavam que ele fazia parte de uma tradicional família do município de Marabá, mas com residência fixa na capital.

R$ 3 mi
O jovem foi raptado por três homens armados quando estava a caminho da escola, na capital. Os oito sequestradores teriam pedido à família o valor de R$ 3 milhões pelo resgate. Uma semana depois do crime, o filho de empresário foi libertado pelos criminosos de um cativeiro que ficava em Santa Izabel. Seis pessoas foram presas e dois morreram durante a ação.

(Diário do Pará)

Seja o primeiro a comentar. Clique aqui!

Sem Comentários

Mais de Polícia

Leia mais notícias de Polícia. Clique aqui!

EDIÇÃO ELETRÔNICA