Notícias / Cultura

EDIÇÃO ELETRÔNICA

O Poderoso Maximus, um super-herói paraense

Segunda-Feira, 07/03/2011, 02:20:13 Ver comentário(s) A- A+

O Poderoso Maximus, um super-herói paraense (Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Já imaginou como seria se um super-herói vivesse em Belém? Que poderes ele teria? Que perigos iria enfrentar? Qual seria sua identidade secreta? O desenhista Alan Yango, 37 anos, imaginou.

O exercício de criatividade veio na forma do personagem Maximus, o herói de uniforme rubro-negro, capa e uma reluzente letra M estampada no peito. O mais poderoso morador da capital paraense voa, tem uma força descomunal, é à prova de balas e, de lambuja, solta rajadas de ar pelas mãos. Enquanto não está salvando o dia, ele tem que se virar trabalhando como professor de literatura da Universidade Dalcídio Jurandir sob a identidade secreta do mirrado e CDF Max Marins. Ganhou seus poderes ao encontrar um antigo medalhão de uma esquecida civilização indígena amazônica. Desde então, protege a cidade de alguns super vilões e muitos criminosos. Mas o maior feito de Maximus até o momento é o de estrelar a sua própria revista.

Em fevereiro foi lançada a primeira edição do “O Poderoso Maximus”. O gibi reúne em suas 28 páginas em preto e branco quatro histórias do super paraense. Com tiragem de mil cópias, a revista foi concebida, editada e bancada pelo próprio Yango, através de sua editora Yangoverso. “Foram três anos planejando, juntando dinheiro para a revista. Só ouvia que tentar publicar é uma loucura, perda de tempo”, diz o ilustrador.

“Mas eu já tinha uma boa aceitação na internet. Percebia o retorno através do meu blog. Isso me deu força para publicar. O sonho de todo o desenhista é publicar seu próprio personagem”, conta.

A revista conta com roteiros de Alan e desenhos de André Ciderfao, Elthz, e Alan Patrick. Mesmo sem nome no mercado e com pouca verba, o projeto conseguiu na camaradagem angariar alguns nomes de peso. Um deles é o paraense Carlos Paul que desenha o titulo “Superpowers” da editora “Dynamite Entertainment”, que pertence ao desenhista americano Alex Ross. Outro é o veterano Sebastião Seabra, paulista que na década de 1970 desenhou títulos como o “Zorro” para a extinta editora Ebal, além de uma prolífica carreira fazendo ilustrações eróticas. Seabra já publicou seu trabalho em jornais como Folha de S.Paulo e ilustrou para o mercado europeu.

HUMOR

A ideia de se fazer um herói à la Superman surgiu há dez anos, como uma paródia dos quadrinhos que lia das editoras Marvel e DC. “Era uma coisa mais ligada ao humor, Maximus era para ser os Simpsons dos quadrinhos de super-heróis”, relembra. Mas com o passar dos anos, ele foi comprando a ideia de fazer um herói paraense. “Assumir que em Belém poderia ter alguém com poderes de repente não parecia mais tão ridículo”, diz.

Nome é uma homenagem a Max Martins

Por mais fantasiosa que a premissa de Maximus seja, para os leitores locais ela parece estranhamente familiar. Na história “Chances”, escrita por Alan e desenhada pelo paraense André Ciderfao, pode se reconhecer um bando de meninos de rua em uma escadaria que lembra a Praça da República.

Os problemas enfrentados pelo personagem também são pensados de acordo com a nossa realidade. Além de ajudar alguns meninos de rua a se reabilitarem do crime, em outra história, “Isabela”, o herói ampara uma adolescente que está prestes a cometer suicídio.

“Não bastava um super herói nacional, ou paraense. Quis colocá-lo em situações de nosso cotidiano. Não é regionalismo, é uma questão de identificação. O nome dele é uma homenagem ao poeta Max Martins”, afirma.

Assim é com todas as suas criações. Yango guarda na gaveta outros personagens que vivem e lutam tendo a região como cenário: como o Crepúsculo, Defensora e Caçador Urbano.

O próximo projeto é compilar essas histórias em uma única revista que será batizada de Yangoverso. “O projeto era para março, mas por falta de verba, acho que vou ter que adiar”, diz o desenhista. Maximus e sua turma podem ser poderosos, mas nem eles podem competir com o poder do vil metal.

O Poderoso Maximus

28 páginas
Capa: colorida
Miolo: p/b
15,5 x 22 cm
R$ 4,00
Despesa Postal: R$ 1,00

SAIBA MAIS

Para adquirir uma cópia da revista “O Poderoso Maximus” envie um e-mail para alanyango@gmail.com. Se você mora em Belém, acesse yangoverso.blogspot.com para obter uma lista das bancas da cidade em que a publicação está disponível.

(Diário do Pará)

Leia também:

Comentários