Assalto a posto de gasolina termina em morte

Sexta-Feira, 04/02/2011, 02:11:59 17 comentários

Tamanho da fonte: A- A+
Assalto a posto de gasolina termina em morte (Foto: Wagner Almeida)
Posto de gasolina assaltado fica no quilômetro 20, da BR-316 (Foto: Wagner Almeida)

Um tiroteio durante assalto em um posto de gasolina, no km 20 da BR-316, próximo a Benevides, terminou com um assaltante morto e duas pessoas feridas, na manhã de ontem (3). A ação iniciou por volta das 10h30 quando cinco homens chegaram ao posto dirigindo um carro Fiat Uno branco, e anunciaram o assalto. “Eles vieram para roubar o posto de gasolina e os clientes que pararam para abastecer. Três renderam os frentistas e os outros dois começaram a roubar os clientes”, conta o frentista Natanael de Jesus, 32 anos.

Assim como ele, o também frentista João Lima, de 39 anos, que levou um tiro de raspão no calcanhar do pé esquerdo, contou que viveu momentos de muito desespero em meio aos tiros. “Quando eles começaram a mandar bala para todos os lados, tentei fugir, quando senti uma pancada no pé e caí por cima de Natanael, por pouco não morri”, conta. O frentista recebeu atendimento médico no Hospital de Urgência e Emergência de Marituba e passa bem.

Durante a troca de tiros, um dos assaltantes, Maciel de Jesus do Carmo Brito, de 23 anos, foi baleado e morreu após receber os primeiros socorros no Hospital de Urgência e Emergência de Marituba.

Os outros fugiram levando mais de R$ 500 e pertences das vítimas, contudo foram capturados, na noite de ontem, em Benevides. Durante a ação, José Mariano Costa do Rosário, 34 anos, reagiu ao assalto sacando uma arma a atirando contra os assaltantes e levou um tiro à altura do peito. Ele foi encaminhado para o Hospital Metropolitano, em Ananindeua e, segundo informações, permanece fora de perigo.

Bando foi capturado horas depois

Para tentar fugir, três dos assaltantes renderam o médico Paulo Bronze que havia parado no posto para abastecer e seguir caminho a Paragominas, para trabalhar. “Só vi quando um bateu com arma no vidro do carro, dizendo que era um assalto, mandando que eu descesse e passasse todos os meus pertences. Logo depois, escutei o primeiro disparo e o assaltante que estava comigo correu para saber o que tinha acontecido, começou então uma troca de tiros generalizada. Tentei entrar no carro novamente, mas três deles chegaram, mandando eu entrar e dirigir”, contou.

Paulo afirmou ainda que só dentro do carro, com os bandidos, é que percebeu que um deles estava baleado. “Os assaltantes se desesperaram com a situação do amigo deles e pediram que eu o levasse para o hospital, foi quando disse que não poderia levá-lo sem meus documentos e meu celular, eles me devolveram, pedindo que eu os deixasse no caminho e seguisse com o baleado para o hospital”, relembra.

Horas depois, entretanto, os bandidos foram abordados por policiais, reconhecidos, detidos e levados à Seccional de Benevides.

Família do bandido entrou em desespero

No Hospital de Urgência e Emergência de Marituba muita dor e sofrimento dos familiares de Maciel de Jesus do Carmo de Brito, que participou do assalto e acabou sendo baleado. Aos prantos a irmã de Maciel questionava “Maciel, por que te mataram? Meu Deus, por que fizeram isso com ele?” muito abalada a família não quis falar sobre o assunto.

O caso foi registrado na Delegacia de Benevides e, segundo a chefe de operações Greyce Ferreira, da Polícia Civil, será pedido um inquérito policial para apurar os fatos. A polícia ainda investiga se José Mariano Costa do Rosário, 34 anos, que reagiu ao assalto, era um integrante da polícia ou se estava apenas trabalhando como segurança no posto. Ferido, ele foi levado ao Hospital Metropolitano, em Ananindeua, e se encontra fora de perigo. (Diário do Pará)

Faça seu comentário. Clique aqui!

17 Comentários

Mais de Polícia

Leia mais notícias de Polícia. Clique aqui!

EDIÇÃO ELETRÔNICA