Esporte / Pará

PRA DESLANCHAR

Papão não para e quer três pontos hoje contra o Londrina

Sexta-Feira, 20/04/2018, 07:19:36 - Atualizado em 20/04/2018, 07:51:52 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Papão não para e quer três pontos hoje contra o Londrina (Foto: DOL)
Diante do Londrina, do ex-técnico bicolor Marquinhos Santos, o Papão busca na noite de hoje confirmar a boa impressão da estreia na Série B (Foto: DOL)

A surpreendente vitória diante da Ponte Preta-SP, fora de casa, na abertura da Série B do Brasileiro, deixou o torcedor otimista quanto à participação do Paysandu na competição. Hoje essa confiança poderá ganhar mais consistência, caso a equipe paraense consiga suplantar o Londrina-PR, no jogo das 21h30, na Curuzu, o primeiro do Papão dentro de casa no campeonato. A meta do treinador Dado Cavalcanti e de seus jogadores é atingir os seis pontos e, assim, se manter na primeira página da classificação, cujo design apresenta as dez equipes com melhor pontuação entre as 20 participantes do campeonato. 

No momento, o Papão ocupa a 6ª colocação, com três pontos. A tabela de classificação ainda está bastante embolada, com nove clubes somando três pontos, entre eles Paysandu e Londrina. A liderança pertence ao Fortaleza-CE, que com a vitória (2 a 0) sobre o Boa Esporte-MG, na abertura da segunda rodada, na última quarta-feira, chegou a seis pontos. De acordo com a estratégia de Dado, permanecendo no grupo dos dez, neste começo de Segundona, o Papão pode mirar, mais pra frente, uma das vagas no seleto grupo dos quatro primeiros classificados, o chamado G4.

“O nosso pensamento é ficar sempre próximo do G4, porque estando nessa condição temos a chance de brigarmos pelo acesso”, afirma Dado. O Papão tem pela frente um adversário que também foi bem em sua estreia, ao vencer o Boa Esporte (1 a 0), só que em seu domínio. E não é só. A equipe do Sul vem a Belém trazendo em seu comando o técnico Marquinhos Santos, que praticamente montou o atual elenco bicolor. “A gente imagina mais ou menos o que passa pela cabeça dele”, revela o atacante Cassiano, autor do gol da vitória em Campinas.

SIGILO

Dado faz mistério quanto ao time que mandará a campo, mas ele não descarta a possibilidade de voltar a utilizar o sistema com a trinca de zagueiros, formada por Edimar, Diego Ivo e Perema. Imagina-se que a formação bicolor não vá mudar muito da que derrotou a Macaca. Se do lado do Papão há segredo quanto ao time, da parte de Marquinhos a situação não é nada diferente. Esconder a escalação de sua equipe foi uma das marcas do treinador em sua passagem pela Curuzu. 

Na maioria das vezes, o resultado do sigilo feito por Marquinhos, em sua época de Curuzu, não foi nada favorável ao Papão, tanto na atual temporada, como em 2017, quando o técnico esteve, pela primeira vez, no comando do time. Já Dado tem colhido bons resultados adotando o jogo do esconde-esconde, como nas partidas contra o Bragantino, pelo Estadual; Manaus-AM, pela Copa Verde; e Ponte Preta-SP, pela Série B.

Tubarão vai ao duelo atento para os primeiros 15 minutos

O desempenho do Londrina em jogos fora de casa, na temporada, não é nada positivo. Em oito partidas que disputou como visitante até aqui, a equipe do Sul obteve apenas uma vitória e assim mesmo contra um adversário pra lá de modesto, o Real Ariquemes-RO, pela Copa do Brasil. Nas demais partidas, foram quatro empates e três derrotas pelo Estadual paranaense. O aproveitamento do time nessa condição é de apenas 29%. E como a equipe fará duas partidas seguidas fora de casa - o outro será contra a Ponte Preta-SP -, a ordem no clube é começar a apagar a fama de time caseiro já no confronto de hoje, conforme admite o técnico Marquinhos Santos.

“A gente vai em busca dos pontos fora para ter tranquilidade e uma pontuação necessária para, no último terço do Brasileiro, ser postulante ao acesso e até pelo título”, discursa o treinador. O Tubarão, alcunha do adversário do Papão, vem a Belém “vacinado” para enfrentar a pressão da torcida local e com a estratégia de jogo bem costurada por Marquinhos. 

“O jogo lá se dá muito na questão mental. Nós temos que ter controle das ações do jogo, não deixar o Paysandu se lançar à frente. Os primeiros 15 minutos são determinantes para sequência do jogo. Conseguindo manter o equilíbrio nos 15 minutos iniciais, vejo com grandes possibilidades de fazer um grande jogo lá e, quem sabe, conquistar uma vitória”, afirma o técnico.


(Nildo Lima/Diário do Pará)





Comentários

Destaques no DOL