Esporte / Brasil

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Final: Paysandu 0x0 Boa Esporte

Terça-Feira, 20/06/2017, 07:49:54 - Atualizado em 20/06/2017, 22:26:51 Ver comentário(s) A- A+

QUEM VENCE?

 

 

LANCE A LANCE

 

 

FICHA TÉCNICA

Paysandu: Emerson; Lucas Taylor, Lombardi, Perema e Peri; Ricardo Capanema, Wesley, Jhonnatan e Diogo Oliveira (Tiago Mandí); Wellington Jr (Bergson) e Daniel Amorim (Marcão)

Boa Sorte: Daniel; Ruan, Léo Baiano, Júlio Santos e Paulinho; Geandro (Escobar), Diones, Reis (Gil Mineiro) e Felipe Matheus; Wesley (Ramon) e Rodolfo

Estádio: Curuzu, Belém (PA)

Árbitro: Marcos Mateus Pereira

Auxiliares: Cicero Alessandro de Souza e Daiane Caroline Muniz dos Santos

PRÉ-JOGO

Inicialmente marcado para o Mangueirão, palco dos últimos 3 jogos do time, em Belém, o jogo contra o Boa Esporte-MG, hoje, a partir das 20h30, marca a volta do Paysandu ao seu verdadeiro reduto, o estádio Leônidas Sodré de Castro, popularmente conhecido como Curuzu.

Na última vez em que se apresentou no local, o Papão derrotou o Oeste-SP (2 a 0) logo na abertura da Série B do Brasileiro.

Após a rodada inicial do campeonato, os bicolores passaram a mandar seus jogos no estádio estadual, onde a equipe obteve 4 dos 12 pontos que disputou no local.

A mudança solicitada à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) foi tomada pela diretoria, levando em conta o fato de o time não cumprir boa campanha no Brasileiro e, principalmente, pelo fato do adversário não ter apelo popular entre os paraenses.

Com a transferência do local da partida, a direção bicolor espera fazer alguma economia, já que os custos para a abertura do Mangueirão são bem superiores ao que é gasto na Curuzu.

 UM TÉCNICO INTERINO

A mudança do Mangueirão para a Curuzu é apenas uma das novidades no jogo contra o Boa Esporte. O Papão também recebe o time mineiro sob o comando do técnico interino Rogério Gameleira, o Rogerinho, que assumiu o lugar de Marcelo Chamusca, treinador que não resistiu à sequência de resultados ruins sofridos pelo time nas rodadas anteriores da Série B.

Rogerinho, no entanto, não será efetivado no cargo. Ele fica somente até a chegada do novo treinador, que está sendo sondado pela diretoria.

A SITUAÇÃO DOS TIMES

Paysandu vai a campo disposto a acabar de vez com a sequência de resultados adversos sofridos das última quatro partidas, quando sofreu três derrotas e empatou, em casa, diante do Juventude-RS, resultado cujo sabor foi de derrota.

Os bicolores ocupam a 10ª colocação na classificação, contabilizando 11 pontos e com aproveitamento de 45%. O Boa, por sua vez, encabeça a zona de rebaixamento, somando 8 pontos e na 17ª posição. O visitante, no entanto, vem de uma vitória, em seus domínios, diante do lanterna Náutico-PE, após uma sequência de 3 derrotas seguidas.

ROGERINHO VOLTA A QUEBRAR O GALHO BICOLOR

Espécie de “tapa buraco”, o ex-jogador Rogerinho volta a comandar, hoje, o Paysandu, substituindo o técnico Marcelo Chamusca, que entregou o cargo um dia após o empate do último sábado, contra o Juventude-RS.

Rogério Gameleira, além de ter ajudado o time a levantar dois títulos da Série B (1991/2001), conta com um retrospecto dos mais positivos à frente do time como treinador interino. Em 8 jogos que esteve à beira do gramado, obteve 5 vitórias, dois empates e apenas uma derrota.

Rogerinho estreou no cargo há 4 anos, quando venceu o Paraná-PR (2 a 0), no Mangueirão. Depois vieram a derrota diante do Avaí-SC (2 a 0), em Florianópolis; e o empate, por 0 a 0, diante do Sport-PE, no Recife.

Na temporada seguinte, o Papão, sob o comando do auxiliar técnico, venceu o Coritiba-PR (2 a 1), em Marabá, pela Copa do Brasil.

Em 2015, Rogerinho comandou o time na vitória sobre o Paragominas (2 a 1). No ano passado, os demais resultados: empate de 0 a 0 com o Bragantino, em Bragança Paulista, e vitória por 3 a 0 sobre o Criciúma-SC, em Florianópolis, ambos pela Série B.

(DOL e Nildo Lima/Diário do Pará)





Comentários