Entretenimento / Cultura

PROGRAMAÇÃO

A cultura de Colares e Bragança no Circular

Domingo, 02/06/2019, 11:21:49 - Atualizado em 02/06/2019, 11:21:49 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

A cultura de Colares e Bragança no Circular (Foto: Cláudio Ferreira)
(Foto: Cláudio Ferreira)

Exposição de artesanato com o tema Ufologia e um mural informativo falando sobre a cultura e turismo ufológico do município de Colares estão na programação “Um Dia Extraterrestre”, do Atelier Jupati, que é um dos mais de 40 espaços que participam da 26ª edição do projeto Circular hoje, das 8h às 20h, nos bairros da Campina, Cidade Velha e Reduto. Escultura de ETs de biscuit, colar, pulseiras, brincos, miniatura de naves e chaveiros estão entre as peças que os artesão de Colares estão trazendo para a exposição.

O espaço vai promover também um bate papo com Adriano Barroso, diretor do documentário “Chupa Chupa, a história que veio do céu” e com o comandante Newton Cardoso, 66, que teve contato com o fenômeno, em Colares, nos anos 1970. “É a primeira vez que a gente vai participar do projeto Circular, com o nosso artesanato focado na Ufologia. Devido aos fatos que aconteceram aqui [em Colares], veio a ideia de fazer o artesanato focado nesse tema, servindo de inspiração para nós”, diz Gleiton Cardoso, artesão e filho do comandante Newton.

Já a cultura bragantina será o enfoque da Casa do Fauno nesta edição do Circular com o seu “Festival Junino”, regado a muita farinha de Bragança, ostras, massa de caranguejo e cachaça daquele município, tudo com muita música, em especial aquela que dá ritmo à Marujada.

“Escolhemos Bragança para ser tema do nosso festival para divulgar essa região tão rica dentro da cultura paraense”, diz Cleide Cunha, proprietária da Casa do Fauno. O espaço terá uma feirinha apoiada pelo Sebrae com produtores vendendo diretamente seus produtos ao público.

Outra novidade dessa edição do projeto é a participação do Midas Amazon Studio, que comemora 21 anos de estúdio de gravação de som e ensaios, trazendo como atrações musicais o Trio Andaluz, formado por Luiz Pardal (violino e harmônica), Jacinto Kahwage (piano) e Paulinho Assunção (percussão), e o Trio Lobita, com Andrea Pinheiro (voz e percussão), Paulo Moura (violão de sete cordas) e Tiago Amaral (clarinete).

Amazonia Doc também se integra à programação

Essa 26ª edição do Circular traz também uma parceria inédita com o “Amazônia Doc”, que entra na programação com a exibição do documentário sobre o Arraial do Pavulagem, às 11h, no Cinema Olympia. O documentário “Boi Pavulagem é Boi do Mundo”, filme de Homero Flávio e Ursula Vidal, promove um mergulho na história do próprio Arraial do Pavulagem.

O festival tem como concepção que o cinema é uma ferramenta política e traz nesta edição o foco nas mulheres, seja na predominância da equipe que tem 75% de nomes femininos na produção do evento ou na escolha do júri totalmente formado por mulheres, ou mesmo na seleção dos documentários para as mostras competitivas - como no caso do doc que tem Ursula Vidal na direção.

Ainda dentro do “Amazônia Doc”, uma das novidades do festival de cinema deste ano é a parceria com escolas públicas onde hoje, segunda e terça-feira haverá a exibição do longa metragem “Eleições”, de Alice Riff, lançado este ano, que mostra as mudanças na rotina do ensino médio da Escola Estadual Doutor Alarico da Silveira, localizada no centro de São Paulo, com as eleições do grêmio estudantil. Nestes dias, Alice Riff também promove master classes para alunos das escolas e uma oficina sobre “Documentários de Impacto”. O “Amazônia Doc” encerra no dia 7, às 18h no Teatro Maria Sylvia Nunes, com cerimônia de Premiação do Festival nas Categorias Júri Oficial e Público.

(Aline Rodrigues/Diário do Pará)




Conteúdo Relacionado:





Comentários

Destaques no DOL