Entretenimento / Cultura

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Pipoca e amigos para ver premiação do Oscar

Domingo, 04/03/2018, 11:22:34 - Atualizado em 04/03/2018, 11:22:34 Ver comentário(s) A- A+

Pipoca e amigos para ver premiação do Oscar  (Foto: Wagner Santana/Diário do Pará)
Ylen Brito, Eric Paiva, Carla Cardoso, Rafael Oliveira, Rafael santos e Gabriela Veloso vão se reunir em bar para ver a premiação. (Foto: Wagner Santana/Diário do Pará)

Em Belém, tem muito cinéfilo que já está acompanhando a movimentação para o Oscar desde outubro do ano passado. “O período de premiações começa e a gente já vai ficando de olho. Quem se destaca no ‘Globo de Ouro’ e outros prêmios, a gente sabe que já tem boas chances de chegar ao Oscar. E vamos começando a assistir aos principais”, conta o paraense Rafael Oliveira, colunista de cinema no site “Plano Crítico”. Com a lista dos indicados em mãos, começam as maratonas, individuais ou, no caso dele, junto com outros amigos que também não perdem a mais famosa premiação de cinema do mundo.

“Eu nunca dei muito valor para o Oscar, e há uns dois anos, quando o cinema começou a se tornar importante para mim, eu comecei a fazer maratona do Oscar e de filmes independentes”, comenta Carla Cardoso, 22, que faz parte do grupo de amigos “maratonistas” de Rafael. Acompanhando essa temporada, ela acredita que tem sido uma das mais promissoras, com muitos filmes de qualidade. “Tudo o que vi até agora foi maravilhoso. Está sendo uma ótima temporada”.

Assim como o amigo, Carla já conseguiu assistir à boa parte dos indicados e pretende fechar a lista até a premiação, neste domingo. “A gente fica muito na expectativa porque em Belém ainda tem alguns filmes que não chegam ao cinema. Mas quando sai a lista de indicados, eles (os exibidores) acabam trazendo e a gente já se prepara para a maratona”, conta Rafael. 

Eles ainda participam de alguns grupos de aposta para as principais categorias, como “Melhor Filme” e “Melhor Diretor”. “Hoje está bem incerto quem será o grande vencedor do Oscar, porque alguns filmes cresceram bastante no favoritismo”, comenta Rafael, que tem a sua escolha, o drama policial “Trama Fantasma”, de Paul Thomas Anderson. Já Carla tem como favorito um dos filmes mais comentados com a saída da lista do Oscar, “Me Chame Pelo Seu Nome”, de Luca Guadagnino. 

Sobre acompanhar tudo isso com amigos, Rafael comenta que “é bom porque você pode assistir e comentar, trocar ideias e comparar com os outros filmes que já foram sendo assistidos”.

A dupla ainda assiste à premiação junto de outros amigos em uma programação especial a partir das 19h, no Fandom Pub, no bairro do Umarizal, aberta ao público. “Eles vão exibir o Oscar lá e também vamos promover um bolão”, adianta Rafael. 

O local terá tapete vermelho, pipoca na entrada, combos exclusivos e, para participar do bolão, não é preciso pagar nada. Quem acertar as principais categorias ganha prêmios na hora.

TEMAS SOCIAIS E POLÍTICOS ESTÃO NOS NOVE LONGAS CONCORRENTES

Em maior ou menor medida, os nove longas que nesta noite disputarão o prêmio máximo da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas tangenciam questões do debate social e político.

O campeão de indicações, “A Forma da Água” usa a fantasia para tratar de tolerância. Seu adversário mais forte, “Três Anúncios para um Crime”, fala de uma mulher sedenta por justiça nos rincões da América que elegeu Donald Trump. “Corra” aborda a questão racial, “The Post”, a importância da imprensa livre. “Trama Fantasma” trata de jogos de poder entre homem e mulher. Se parecem mais escapistas, “Lady Bird” e “Me Chame pelo Seu Nome”, ambos sobre amadurecimento pessoal, também falam da grande classe média baixa dos Estados Unidos, no primeiro caso, e da superação da homossexualidade como tabu, no segundo. 

Por fim, os históricos “Dunkirk” e “A Hora Mais Escura” perseguem ideais de grandeza política que hoje parecem escassos no panorama mundial.

(Lais Azevedo/Diário do Pará)







Comentários