Entretenimento / Cultura

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Mostra na tribo Tembé-Tenetehara destaca produções de cineastas indígenas

Domingo, 13/08/2017, 11:23:01 - Atualizado em 13/08/2017, 11:23:01 Ver comentário(s) A- A+

Mostra na tribo Tembé-Tenetehara destaca produções de cineastas indígenas (Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Com o objetivo de introduzir o cinema como ferramenta de fortalecimento e perpetuação da memória da rica cultura milenar dos índios Tenetehara, nasceu o primeiro “Festival de Cinema Tembé-Tenetehara”. A programação, que iniciou na última sexta-feira e se encerra hoje, 13, vem exibindo diversas produções dentro da própria Aldeia Ita-Putyr, localizada há 18km do município de Capitão-Poço, na chamada Terra Indígena do Alto Rio Guamá (Tiarg). O local é descrito pela curadora do festival, Zahy Tata Pura’Gte (pseudônimo de Elida Braz no cinema), como “uma terra ancestral sagrada que guarda costumes e saberes de um povo originário repleto de singularidades”.

Aberta a toda comunidade e cidades vizinhas como Ourém, Capitão Poço e Santa Luzia, o festival conta com duas mostras. “Parentes” reúne filmes que abordam as comunidades ancestrais ou que foram produzidos por cineastas indígenas, quilombolas e ribeirinhos. Na mostra “Karai”, demais cineastas selecionados trazem obras rodadas no Brasil e que possuem temática universal. Zahy Tata conta que fez sua curadoria buscando obras nacionais de grande relevância quando se debate sobre cinema e seus diferentes estilos e gêneros. Entre os destaques da mostra está “Cabeça Coroada”, do emergente cineasta cearense Saulo Vasconcelos. O documentário aborda a vida do premiado compositor de samba enredo e samba de partido alto Aluízio Machado, do Rio de Janeiro. 

Alguns cineastas também foram convidados a integrar o festival batendo um papo com o público antes das exibições de seus filmes, compartilhando suas experiências na produção cinematográfica. Um deles é o paraense Flavio Contente, com seu premiado curta-metragem “Passos da Fé”, em que retrata a caminhada de romeiros da cidade de Castanhal até Belém durante o Círio de Nazaré. Segundo ele, “é uma emoção ímpar ter seu filme observado por uma comunidade indígena, que com certeza irá se emocionar com a narrativa”.

Outro paraense confirmado é Artur Arias Dutra, que, juntamente com André dos Santos apresenta o documentário “Mestres Praianos do Carimbó de Maiandeua”, rodado na charmosa praia de Algodoal e com imagens históricas do mestre Chico Braga. Para André, premiado em Cannes com “Samba de Cacete - Alvorada Quilombola”, o encontro é imperdível. “Estou muito feliz em participar deste Festival e exibir este filme que trata da cultura de povos tradicionais para uma comunidade tão sensível como são os indígenas”, comemora.

Evento inaugura a Escola de Cinema Tembé

Um momento muito aguardado dentro do festival é a exibição do longa-metragem “Wyra’ Uhaw Tenetehara – Ritual Sagrado Tembé”, que narra a Festa do Moqueado ou Rito da Menina-Moça. Ele foi todo filmado na Tiarg e será exibido pela primeira vez para todos os membros de várias aldeias da região. Hoje, ainda ocorre a sessão “Curumin”, com os filmes de animação “O Rapto do Peixe Boi” e “A Onda da Pororoca”, dos cineastas paraenses Rodrigo Aben-Athar e Cássio Tavernard. Este último também aprovou a ideia de levar o cinema até a aldeia.

“Eu acho fundamental, como ferramenta de identificação e diálogo, que tenhamos acesso a uma linguagem que mostre nossos símbolos, nossa natureza e nossa rica diversidade cultural. Espero que os filmes sirvam como ferramenta de identidade por trazerem elementos de nossa fauna e flora amazônica, o que acredito seja facilmente reconhecido por eles, como povos indígenas”, diz Tavernard.

Escola de Cinema

Durante o Festival outro importante passo será dado pelos indígenas: a inauguração da Escola de Cinema Tembé. Para a realização deste grande foram doados equipamentos de filmagem como tripés, câmeras, refletores, grua e claquete. Além disso, oficinas de manuseio desses equipamentos serão oferecidas gratuitamente. “A ideia é que todos os membros da Escola se familiarizem com o audiovisual e a partir daí comecem a produzir suas narrativas, inaugurando um polo de cinema indígena e contribuindo para perpetuar a rica memória Tembe-Tenetehara”, diz Zahy Tata.

A curadora revela ainda que o passo seguinte será realizar uma campanha de financiamento coletivo para construir uma nova ramada (Casa de Cultura Indígena), pois a atual encontra-se bastante deteriorada. “A ramada é um símbolo representativo da cultura e das tradições. Nela acontecem os encontros, os ritos sagrados e reuniões. Ela também servirá como cenário para realizações de vários filmes que mostrarão o cotidiano da aldeia”, projeta Zahy Tata.

Serviço:

Na tribo

1º Festival de Cinema Tembé-Tenetehara

Quando: Até hoje, 13, às 18h30

Onde: Aldeia Ita-Putyr, Terra Indígena Alto Rio Guamá

Quanto: Gratuito

Informações: (91) 98347-6981

(Doário do Pará)





Comentários